Na Mira do Regis
  • STANLEY CLARKE

    3 - Bourbon Street - São Paulo

    Não há a menor necessidade de se saber com antecedência o que vai apresentar uma das maiores lendas do contrabaixo em todos os tempos. Show elétrico, apresentação acústica, rock, jazz, música experimental e o diabo a quatro… Não importa! Qualquer coisa que ele queira tocar será uma experiência sublime para quem estiver na plateia. Não perca isto de forma alguma!

    IRON & WINE

    3 – Sacadura 154 – Rio de Janeiro

    Não, não é uma dupla. Este é o nome artístico com que o cantor/compositor/violonista brinda suas plateias com algumas das canções mais soporíferas que você possa imaginar – perto dele, o James Taylor parece o Iggy Pop. Se for ao show, leve um travesseiro, um edredon e sua escova de dente. Você vai precisar…

    ANDY McKEE e THE REIGN OF KINDO

    3 - Teatro Rival Petrobrás - Rio de Janeiro
    O americano McKee é um daqueles violonistas que entortam o nosso cérebro ao mostrar novas maneiras de tocar e criar canções instrumentais bastante pungentes e

    Leia mais »from “É Show ou é Fria”: primeira semana de setembro (3 a 9)
  • Já venho escrevendo há um bom tempo aqui no Yahoo! que o heavy metal brasileiro não deve mais nada ao que é feito lá fora – veja um exemplo disto aqui. Por isso, selecionei abaixo alguns trabalhos lançados há pouco tempo e que exibem qualidades muito acima do padrão normal do metal tupiniquim.

    Agora, leia novamente e com atenção: aqui estão ALGUNS dos álbuns do estilo que merecem a sua atenção pela qualidade apresentada em todos os aspectos. Se você vai gostar ou não, aí é outra história – o espaço de comentários abaixo do texto está ali mesmo para você desabafar a sua “raivinha” ou sugerir outros nomes.

    image

    NOTURNALL - Back to Fuck You Up!

    Bem mais agressivo e intenso que seu autointitulado álbum de estreia lançado no ano passado, este novo disco traz as afinações de guitarras de Leo Mancini ainda mais baixas, os vocais de Thiago Bianchi sem aqueles agudos histriônicos e insuportáveis de outrora, e canções bem melhor elaboradas em seus arranjos. Obviamente, o baterista Aquiles Priester

    Leia mais »from Cinco álbuns de heavy metal nacional que merecem a sua atenção
  • Sexta-feira é dia das dicas do tiozinho aqui, né? Então se prepare, porque o cardápio hoje está bem divertido: videoclipes ridículos para boas canções!

    Não, não pense que vou colocar aqui vídeos de artistas e bandas conhecidas. Além de demonstrar estas “discrepâncias”, minha intenção também é trazer de volta canções que eu tenho quase certeza que você nunca ouviu. Ou ouviu e não se lembrava mais, muito menos de quem gravou.

    Para começar, um dos maiores exemplos de “vídeo ruim/música boa” é “I Beg Your Pardon”, o único hit que o grupo canadense de synth pop Kon Kan consegui emplacar. A canção é bem legal, mesmo sendo inspirada na cara dura no som do New Order e o clipe é uma desgraça, m esmo para os padrões de 1990, ano em que a música foi lançada. Dê uma olhada e uma ouvida:

    E já que citei o Canadá, vamos ficar por lá mesmo e relembrar o ótimo som da banda April Wine, sempre liderada pelo talentoso vocalista/guitarrista/compositor Myles Goodwyn. Os caras sempre lançaram bons discos,

    Leia mais »from Tio Regis anima seu final de semana com clipes horríveis para músicas boas e uma verdadeira tortura sonora asiática
  • image

    BOURBON STREET FEST

    27 a 30 – Bourbon Street – São Paulo

    O tradicional festival organizado pela casa noturna paulistana continua na quinta-feira com Little Freddie King – pelo amor de Deus, não confunda o simpático e carismático vovô, um dos últimos sobreviventes do swamp blues da Louisiana, com o falecido Freddie King -, que certamente vai deixar todo mundo com um sorriso aberto no rosto, e com o Galactic, um sensacional grupo de jazz/funk que tem nas longas improvisações um de seus pontos fortes. Na sexta vão rolar as apresentações da banda Lost Bayou Ramblers e do acordeonista Dwayne Dopsie com o seu The Zydeco Hellraisers, dois nomes que eu sinceramente nunca tinha ouvido falar. No sábado será a vez do bom trompetista Leon “Kid Chocolate” Brown com o seu grupo 504 Experience, mais o Dopsie e sua banda. No domingo, no encerramento do evento em novo evento gratuito, se apresentarão o Lost Bayou Ramblers, Dwayne Dopsie & The Zydeco Hellraisers e o Galactic. Será uma maratona só para os

    Leia mais »from “É Show ou é Fria”: última semana de agosto + primeiros dias de setembro (27/8 a 2/9)
  • Poucas coisas se tornaram falácias em tão pouco tempo quanto a frase “há a liberdade de culto no Brasil”. Muito pelo contrário! A cada dia que passa, surgem diante de nossos olhos exemplos de intolerância religiosa que, infelizmente, acabam resvalando na violência. Como esquecer a menina que foi apedrejada em junho passado na saída de um culto de candomblé no Rio de Janeiro? Ah, não lembra? Então leia aqui.

    Sim, eu sei que este é um tema muito espinhoso, principalmente porque em alguns lugares do planeta a civilização regrediu uns 800 anos - vide as barbaridades cometidas pelo tal “Estado Islâmico” - e mesmo nas grandes metrópoles a religião é um eterno tema de discussão. Aqui no Brasil, então, nem se fala…

    Não, eu sei o que  você está pensando… Pode desencanar: não vou comentar a crença de ninguém neste espaço. Por mim, você pode acreditar em quem você quiser: Deus, Buda, o capeta, Lemmy, Michael Jackson, Serginho “Chulapa”, Mariah Carey e quem mais vier à cabeça. Cada um coloca a sua

    Leia mais »from Pode acreditar: orientação religiosa rende música de altíssima qualidade
  • image

    O LP já estava ao meu lado há alguns dias. Nada de edição em CD, edição “deluxe” ou o raio que o parta. Em LP original da época, importado, comprado por mim em 1977, meio por acaso, muito por causa da capa, com uma foto espetacular que chamou a minha atenção na loja de discos importados que eu frequentava no centro de São Paulo, onde eu gastava quase toda a (pouca) grana que recebia. Sabia que tinha que escrever a respeito dele esta semana, por causa do 40º aniversário de seu lançamento.

    Era o terceiro disco dele, mas a gente aqui no Brasil não fazia a menor ideia disto. Muito menos que, no exato momento do lançamento desta obra-prima chamada Born to Run, em agosto de 1975, um poeta/cantor/ guitarrista americano meio mulambento deixava de ser um “marginal do rock” para assumir uma posição emergente dentro do cenário mainstream americano.

    Dentro do álbum havia um LP que convidava o ouvinte atento, daqueles que ficavam com um dicionário nas mãos, traduzindo as letras, a fazer uma viagem

    Leia mais »from Em seu 40º aniversário, “Born to Run” se reafirma como a obra prima universal de Bruce Springsteen
  • Como já sabe, sexta-feira é dia das dicas do tiozinho aqui para que você tenha um final de semana ainda mais divertido. E o cardápio hoje está bem diversificado e bacana.

    Para começar, um exemplo de como criatividade e tecnologia podem gerar sons magníficos. Veja o que faz a cantora e multiinstrumentista sueca Theresa Andersson ao empregar pedais de repetição em conjunto com o seu senso melódico/harmônico/rítmico. Para melhorar ainda mais, ela contou com a participação do lendário cantor/compositor /pianista Allen Toussaint para deixar tudo ainda mais classudo e esfuziante:

    A seguir trago dois exemplos de uma mesma ideia – músicos vestidos como múmias!!! -, só que com sons bem diferentes. Primeiro, você assiste a demência garageira do The Mummies, veterana banda californiana formada em 1988 e que está na ativa até hoje. Veja um exemplo da doideira dos caras em uma apresentação de TV em 1991 e outra recentemente, em um festival, quando foram apresentados por ninguém menos que John

    Leia mais »from Tio Regis diverte seu fim de semana com criatividade sueca, múmias “garageiras” toscas e vozes de anjos
  • CAETANO VELOSO & GILBERTO GIL

    20 a 23 - Citibank Hall - São Paulo
    Com o currículo de ambos e a discografia que cada um elaborou ao longo da carreira, não importa muito saber com antecedência o que os dois apresentarão. É daquelas apresentações que precisam ser assistidas e discutidas por semanas. Simples assim.

    FUNDO DE QUINTAL

    20 – Traço de União – São Paulo

    Embora seja bastante veterano – na verdade, um dos primeiros grupos de samba a ingressar no universo do que passou a se chamar pagode -, esta rapaziada se contenta em apenas fazer aquele sonzinho sem vergonha para derreter corações de ‘periguetes’ com mini-saias e cabelo tingido com água de salsicha. Samba que é bom mesmo… Nada!

    ZECA BALEIRO

    20 – SESC Palladium – Belo Horizonte

    Apesar de seus detratores alegarem que ele não faz nada de novo, a verdade é que Zeca Baleiro é um daqueles caras que podem ser acusados de qualquer coisa, menos de ser preguiçoso em relação ao seu trabalho musical. Sempre produzindo boas canções, com arranjos que

    Leia mais »from “É Show ou é Fria”: quarta semana de agosto (20 a 26)
  • Já não consigo mais me surpreender com o fato de um sujeito completamente desprovido de talento como esse tal de “Wesley Safadão” ter gravado um DVD ao vivo em Brasília perante 40 mil pessoas. Também não me espanto ao ver um sujeito completamente despreparado intelectualmente como esse tal de “Pablo” exibir a sua “sofrência” em programas de TV. Hoje em dia é bastante óbvio verificar o quanto a música de péssima qualidade - em TODOS os sentidos – conseguiu invadir todos os espaços midiáticos que você imaginar, a ponto de presenciarmos a todo instante o quanto a riquíssima e legítima cultura regional do país está completamente diluída. Já escrevi artigos anteriores em que abordei o assunto - que você pode ler aqui e aqui -  e continuo a não compactuar com isto.

    Por conta desta situação, é desesperador sacar que pelo menos duas gerações de brasileiros estão cercadas por todos os lados por estilos em que NADA – repito: NADA! – é aproveitável. Do tal “funk” ao “pagode xexelento mela cueca e

    Leia mais »from Indústria do “forró eletrônico” é o retrato de um Brasil cretino
  • Seria a trilha sonora do filme de mesmo nome que a banda lançou naquele mesmo mês de agosto de 1965. “Seria”, porque só metade das faixas entrou realmente no filme. Somente a prensagem americana trouxe todas as canções da película – leia mais a respeito desta confusão aqui.

    Na época, a gente não fazia ideia de como a banda ficaria “diferente” nos álbuns posteriores graças a um encontro quase casual com Bob Dylan – leia mais a respeito disto aqui -,  mas as pistas estavam espalhadas ao longo de Help. A confissão de John Lennon a respeito de sua impotência perante o absurdo assédio das fãs logo de cara na faixa título – largue a mão de ser preguiçoso(a) e vá atrás da letra -; a explícita homenagem a Dylan em “You’ve Got to Hide Your Love Away” e a letra confessional a respeito de uma relação amorosa homossexual, que só fez sentido depois que surgiram os boatos de que Lennon e o empresário da banda, Brian Epstein, tiveram umas “diversões divertidas” entre eles; a entrada no então universo

    Leia mais »from Cinco décadas atrás, o mundo virava de cabeça para baixo com “Help”, dos Beatles

Paginação

(752 histórias)

Regis Tadeu

Regis Tadeu é crítico musical, jurado do Programa Raul Gil, colunista/produtor/apresentador do portal do Yahoo, produtor/apresentador dos programas Rock Brazuca e Agente 93 na Rádio USP FM e foi Diretor de Redação/Editor das revistas Cover Guitarra, Cover Baixo e Batera.

Siga o Yahoo