É show ou é fria? – 2ª semana de maio

Na Mira do Regis

AMILTON GODOY
13 - SESC São Caetano - São Caetano do Sul (SP)
O genial pianista do Zimbo Trio vai exibir seu inequívoco talentoso ao misturar jazz e música popular brasileira nesta apresentação solo, um show ‘classudo’ que só merece ser apreciado por quem tem neurônios com suas sinapses em dia.

DUDU LIMA
13 - SESC Consolação – São Paulo
Este excelente baixista, compositor e arranjador mineiro usa seu instrumento, tanto na versão elétrica como na acústica para, junto com seu trio, mostrar novas e interessantes possibilidades no uso de um instrumento solista como ponto de partida para composições bem interessantes. Vale a pena vê-lo em ação...

REVELAÇÃO
13 - I9 – São Gonçalo (RJ)
17 e 18 - Pepsi On Stage – Porto Alegre
Este grupo tinha tudo para fazer um trabalho digno dentro do samba, já que todos são bons instrumentistas, sabem fazer arranjos de qualidade... Infelizmente decidiram enveredar pelo “pagode mela-calcinha”, recheando suas composições com letras abomináveis em termos de romantismo e poesia, envergonhando um gênero que já propiciou canções admiráveis da parte de Paulinho da Viola e Cartola, por exemplo. Ah, se eu fosse produtor destes caras...

PÉRICLES
13 - Barra Music - Rio de Janeiro
15 - Fidélis Bar - São Paulo
18 - Inova Fest Pavilhão– Vitória
Ele é um cara carismático e dono de uma bela voz. Agora, com o fim do Exaltasamba, Péricles inicia sua carreira solo e eu torço sinceramente para que ele se afaste completamente do som que fazia com seu finado grupo, voltando a fazer um samba de raiz com letras que tenham uma maior profundidade poética. A julgar pelas poucas canções que ouvi desta nova fase, infelizmente parece que isto não vai acontecer. Pena...

FÁBIO JR.
13 – Praia dos Anjos – Arraial do Cabo (RJ)
15 - Teatro Bradesco – São Paulo
17 – Restaurante São Judas – São Bernardo do Campo (SP)
18 – Thermas Olímpia Resort – Olímpia (SP)
Da mesma forma como acontece com Roberto Carlos, Fábio Jr. também vem há muito tempo apresentando um show bastante burocrático. Mas ao contrário do "Rei", o pai do tal de Fiuk é um roqueiro enrustido e sacana, que sabe que um pouco de espontaneidade é caminho certo para cativar ainda mais as suas fãs, que nunca cessam de gritar em suas apresentações. De uma coisa você pode ter certeza: a banda de apoio do cantor é sempre um time de primeira grandeza em termos instrumentais. Já as músicas...

ANTHRAX & TESTAMENT (assista ao vídeo)
15 – HSBC Brasil – São Paulo

ANDRÉ MEHMARI
15 - SESC São Caetano - São Caetano do Sul (SP)
Este ótimo pianista, arranjador, compositor e multiinstrumentista vai se apresentar com seu trio e apresentar um repertório de canções próprias muito bom, misturando música brasileira e jazz de alta qualidade. Pode ir sem susto!

ROUPA NOVA
15 – Parque de Exposições – Maringá (PR)
19 – Parque de Exposições – Fernandópolis (SP)
É aquela velha história: os caras são músicos extraordinários, com total domínio de seus instrumentos, mas ficaram presos a um mercado que não aceita nada que contenha um mínimo de criatividade musical. Resignada, a banda então vem se rendendo há anos em tocar coisas abomináveis como “Dona” e “Whisky a Go Go”, feitas especialmente para agradar a um público muito pouco exigente. Infelizmente, o Roupa Nova é a prova que todo país tem o Toto que merece...

CESAR MENOTTI & FABIANO
15 – Excess Club – Campo dos Goytacazes (RJ)
17 – Caneco 90 – São Gonçalo (RJ)
18 – Parque de Exposições – Dormentes (PE)
A simpática dupla não costuma decepcionar em termos de animação em seus shows. Muito disso ocorre porque os caras são carismáticos e divertidos, que conseguem injetar doses de sinceridade naquele velho papo de corações partidos, amores não correspondidos e dor de corno, assuntos mais que manjados no universo sertanejo atual. Secundados por uma ótima banda de apoio, a dupla faz aquele tipo de apresentação que certamente vai extasiar quem gosta dessa enxurrada de romantismo aguado.

CHARLES AZNAVOUR
16 – Espaço das Américas – São Paulo
Para quem gosta da velha escola da “chanson française”, este show vai ser um delírio, mas eu aposto uma boa grana que a maioria da plateia estará lá só para ouvir o “velhinho francês que canta ‘She’”. Quer apostar?

BOM GOSTO
16 – Easy – São Paulo
17 – Santa Fé – Campo Grande (MS)
18 – Corumbaense – Corumbá (MS)
Quando você pensa que aquele pagode xexelento e que celebriza a dor de corno já estava extinto, sempre aparece alguém ainda insistindo em regurgitar todas aquelas letras ginasianas e aquele “balanço” que só empolga a quem tem menos de três neurônios em funcionamento. É o caso deste grupo, que teima não apenas em não trazer nada de novo, mas também procura perpetuar o que de pior o estilo propagou na cabeça vazia de adolescentes que não sabem nada a respeito de samba. Triste isto...

DJAVAN
16 – Hangar – Belém
18 – Studio 5 – Manaus
Sempre muito rigoroso com relação aos seus shows, Djavan certamente vai apresentar um espetáculo de alto nível, com músicos de apoio ultracompetentes, cenografia e iluminações caprichadas e com som de qualidade. O problema pode ser o repertório, que sempre traz excelentes canções ao lado de outras de nível muito inferior. Neste sentido, o show é uma loteria. A não ser que você seja pouco exigente e trate apenas de saborear o que o artista lhe apresentar. Neste caso, boa sorte!

CAPITAL INICIAL
17 – Centro de Exposições Jaime Canet Jr. – Francisco Beltrão (PR)
Podem acusar a banda de qualquer coisa, menos de ser incompetente em cima do palco e de fraquejar na hora de propiciar um show animado. Por ser o único grupo remanescente da cena roqueira brasileira dos anos 80 que conseguiu reciclar o seu público, o quarteto certamente vai exibir um desfile de hits para todo mundo cantar junto e se esbaldar. Isso, claro, para quem tem idade mental inferior a dezessete anos. Em contrapartida, devem tocar várias canções de seu fraco disco novo, Saturno. Portanto, você está por sua conta e risco...

ROBERTO CARLOS
17 e 18 – Espaço das Américas – São Paulo (veja minha opinião aqui)

SÓ PRA CONTRARIAR (veja minha opinião aqui)
17 – Sítio São Francisco - Jundiaí (SP)
18 – Estádio Mandu – Pouso Alegre (MG)
19 – ExpoAgro 2013 – Franca (SP)

CAETANO VELOSO
17 – Concha Acústica – Salvador
18 – Baile Perfumado – Recife
Um show de Caetano Veloso é imprevisível, mas desde que reuniu uma garotada para formar sua banda de apoio, ele transformou esta imprevisibilidade em momentos musicais quase sublimes. Como seu repertório é vastíssimo e de uma qualidade ímpar, pode apostar que ele vai fazer um show arrasador.

SANDY
17 – HSBC Brasil – São Paulo (veja minha opinião aqui)

LOBÃO (assista ao vídeo)
17 e 18 - SESC Osasco – Osasco (SP)

PAULA FERNANDES
17 – Olympia Show – Balsas (MA)
18 – Estacionamento Campelo – Araguaina (TO)
Ela é linda, mas suas canções são uma espécie de “versão feminina do Victor & Leo”, ou seja, é um amálgama de “sertanejo” com country, folk e uma pitada de MPB/pop. Tudo é criminosamente insípido, esterilizado, sem um pingo de rusticidade, planejado justamente para agradar pessoas “sensíveis”, apaixonadas e incapazes de sair do limbo da mediocridade sonora. Pena...

ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO
17 – Ono Music Hall – Foz do Iguaçu (PR)
18 – ExpoBarbacena – Barbacena (MG)
Entra ano, sai ano... E a dupla continua a não mostrar qualquer novidade significativa em suas apresentações? Dá para esperar que os irmãos mostrem canções inusitadas, arranjos novos que fujam da mesmice e interpretações menos cafonas? Claro que não. Resumindo: quem assistir a este show vai ter uma incrível experiência de ver e ouvir o mesmo desfile de tédio sonoro, mesmo que algumas canções novas tenham sido enxertadas no repertório. Deus, que troço chato...

WANESSA
17 - Chevrolet Hall – Belo Horizonte
18 - Capital Disco – Belo Horizonte
Um dos grandes mistérios da música brasileira é tentar entender até quando a filha de Zezé Di Camargo vai continuar insistindo na busca por uma carreira musical. Desafinada, sem carisma, com repertório repleto de canções horríveis que nem mesmo a importação de convidados internacionais a peso de ouro ajuda a melhorar, ela tenta ser um cruzamento de Mariah Carey, Beyoncé e Christina Aguilera, mas só consegue arrancar gargalhadas de escárnio e olhares revirados de “vergonha alheia”. Até quando, meu Deus?

NALDO (assista ao vídeo)
17 – Rodeio Brahma – Jaguariúna (SP)
19 – praça pública – Itaboraí (RJ)

PARALAMAS DO SUCESSO
17 - Teatro Guararapes – Recife
19 - Concha Acústica – Salvador
Em comemoração pelas três décadas de carreira, a banda vai apresentar um show um pouco diferente, mesclando seus 243 hits com recriações de grandes canções que ajudaram a moldar a personalidade de seus integrantes. Isto significa que a banda vai incluir músicas do Police, Gilberto Gil, Jorge Ben, The Clash e Led Zeppelin no repertório. Vale a pena dar uma espiada...

GILBERTO GIL
18 - Vivo Rio – Rio de Janeiro
Agora que já passou o Carnaval, Gilberto Gil pode parar de fingir que gosta do Asa de Águia e fazer o som que realmente gosta de fazer, tocando músicas bacanas independentemente da formato que apresente. Neste caso, vai mostrar seu Concerto de Cordas & Máquinas de Ritmo, com a participação da Orquestra Sinfônica da Bahia e com arranjos de Jaques Morelenbaum. Torça apenas para que ele esteja com a voz em dia, sem estar propenso a afinações indesejadas...

LUAN SANTANA
18 - Citibank Hall – Rio de Janeiro
Cada época tem o ídolo popular que merece. Este garoto, dono de um repertório mais fraco que sopa de albergue noturno, com canções que trazem os piores clichês desse universo "dor-de-corno-sertaneja" e seus maneirismos em cima do palco só consegue levar à histeria quem tem menos de quatro neurônios em funcionamento. É o exemplo máximo do ídolo que reina na estupidez da juventude descerebrada nacional. Passe longe disso, pelo amor de Deus!

SORRISO MAROTO
18 - Chevrolet Hall – Belo Horizonte
Meu Jesus na cruz... Isto é horrível. Como é que uma banda destas consegue desenvolver uma carreira inteira dependente de um meio musical que prima pelo vazio criativo e que inequivocadamente dando seus últimos suspiros é algo que deveria ser estudado. Talvez a explicação esteja no fato de que sua música é feita para pessoas que acham que o amor é aquilo que se vê nas novelas da Globo. Meu Jesus na cruz...

STRATOVARIUS
18 - Carioca Club - São Paulo
A banda finlandesa vai mostrar algumas canções de seu disco mais recente, Nemesis, tão chato quanto todos os anteriores. E tal observação também vale para os shows. Deus, que troço chato...

SKANK
18 – Largo da Saideira – Belo Horizonte
Canções bacanas, banda competente, astral animado e simpatia espontânea. O que mais a gente pode pedir hoje de um grupo nacional em um território tomado por bandas coloridas insípidas e ridículas. Pois são exatamente estas características que sempre estão presentes em um show do grupo mineiro. Você até achar que as apresentações são previsíveis, mas é inegável que a gente sempre tem pelo menos um sorriso estampado no rosto quando vê os caras ao vivo. Vá e divirta-se!

THE VACCINES
18 - Grand Metrópole – São Paulo
A chamada "cena indie" está tão desesperada por uma nova "salvação do rock" que uma banda medianamente legalzinha como esta foi alçada aos píncaros da glória por críticos "mudérnosss" e pela molecada que baba ovo para qualquer pseudonovidade. Tudo bem, as musiquinhas saio simpáticas, a performance de palco de seus integrantes é animada, coisa e tal... Mas daí isto ser considerado como uma "sensação" vai uma distância intergaláctica. Vá ao show e confira.

CAT POWER
18 - Circo Voador - Rio de Janeiro
19 - Espaço Catamarã – Recife
Meio doidona e chegada em fazer shows com resultados bem irregulares, ela volta ao Brasil para mostrar um repertório que contém algumas canções de seu bom e mais recente disco, Sun, lançado no ano passado. Torça para que ela não tenha bebido antes de subir ao palco e que tenha deixado as desafinações nos camarins.

O RAPPA (assista ao vídeo)
18 - Parque de Exposições – Juiz de Fora (MG)

VIRADA CULTUIRAL
18 e 19 – São Paulo
Como sempre, o evento vai trazer um cardápio musical multifacetado. Os destaques ficam para as apresentações do baixista Billy Cox - escalado aqui às pressas para substituir o guitarrista Leslie West, ex-Mountain, que cancelou a vinda por problemas de saúde -, que foi da banda de Jimi Hendrix e que vai tocar aqui ao lado de Edgard Scandurra; vários artistas apresentando seus discos antológicos na íntegra – Fagner com Manera Fru-Fru Manera (1973), Odair José com O Filho de José e Maria (1977), Walter Franco com Revolver (1975), Eumir Deodato com Deodato 2 (1973) e o Som Imaginário com Matança do Porco (1973) -, George Clinton com seu P-Funk All Stars, Mondo Generator, Madame Saatan, David Jackson (saxofonista do maravilhoso Van der Graaf Generator), o grupo de rock progressivo Nektar, Lonnie Liston Smith, Marcos Valle Trio, Hyldon com o grupo Azymuth, as bandas The Baggios, Harry, Chimpanzé Club Trio e Elma, Fabio Góes, o mitológico saxofonista Pharoah Sanders e mais um monte de atrações bacanas. Pena que a absurda falta de educação do público acabe estragando o prazer de certas apresentações...

VELHAS VIRGENS
19 - Opinião – Porto Alegre
em quando a coisa descamba para a baixaria pura e simples, mas não deixa de ser engraçado ver/ouvir um desfile de ofensas e pensamentos politicamente incorretos contra tudo e todos. E os caras ainda por cima tocam bem dentro da proposta de som. Pode ser muito divertido ou muito chocante. Vai depender da sua moral e de seu bom humor. Ou da ausência de ambos...