É show ou é fria? – 3ª semana de dezembro

Na Mira do Regis

REVELAÇÃO
17 — Barra Music — Rio de Janeiro
18 — Rei do Bacalhau — Rio de Janeiro
21 — Beija-Flor — Rio de Janeiro
22 - Campo da Portuguesa — Ilha do Governador (RJ)
23 — Barra Music — Rio de Janeiro
Este grupo tinha tudo para fazer um trabalho digno dentro do samba, já que todos são bons instrumentistas, sabem fazer arranjos de qualidade... Infelizmente decidiram enveredar pelo "pagode mela-calcinha", recheando suas composições com letras abomináveis em termos de romantismo e poesia, envergonhando um gênero que já propiciou canções admiráveis da parte de Paulinho da Viola e Cartola, por exemplo. Ah, se eu fosse produtor destes caras...

EASY STAR ALL-STARS (assista ao vídeo)
18 - Opinião — Porto Alegre

VICTOR & LEO
18 — Praça Pública — Paranatinga (MT)
20 — Quirinópolis (GO)
Até que esta dupla não faz feio dentro do ridículo mundo sertanejo, já que suas canções têm um forte acento pop/folk, o que os diferencia dos "Brunos & Marrones da vida". É claro que as letras versam sobre o romantismo "dor-de-corno", mas pelo menos os caras tentam fazer isto utilizando preceitos mais interessantes em termos de harmonia e melodia, o que é um avanço incrível dentro de um oceano de mediocridade.

NENHUM DE NÓS
18 — Calçadão Central — Getúlio Vargas (RS)
22 — All Time Music Hall — Nova Prata (RS)
Perto de algumas bandinhas indie mixurucas que são incensadas por críticos com interesses escusos, o som do Nenhum de Nós soa como o U2. Algumas de suas canções são bastante subestimadas — como é o caso da boa "Camila, Camila" — e a banda costuma não fazer feio em cima do palco.

CRIOLO
19 a 21 - SESC Belenzinho — São Paulo
Se você deixar de lado toda a babação de ovo por parte da imprensa dita "especializada em cultura" e do público que aplaude qualquer coisa sem ter escutado nada, e não der a menor importância ao messianismo de araque que o cara insiste em exalar em cima do palco, pode até curtir algumas canções do rapper "bola da vez". E escrevo "algumas" porque é isto mesmo: ele acerta a mão em coisas como a linda "Não Existe Amor em SP", mas quando erra... Meu Jesus Cristo!

PÉRICLES
19 — Bar Fidelis — São Paulo
21 — Rádio Clube — Campo Grande (MS)
22 — local não divulgado — Cuiabá (MT)
23 - local não divulgado — Corumbá (MS)
Ele é um cara carismático e dono de uma bela voz. Agora, com o fim do Exaltasamba, Péricles inicia sua carreira solo e eu torço sinceramente para que ele se afaste completamente do som que fazia com seu finado grupo, voltando a fazer um samba de raiz com letras que tenham uma maior profundidade poética. A julgar pelas poucas canções que ouvi desta nova fase, infelizmente parece que isto não vai acontecer. Pena...

SORRISO MAROTO
19 - local não divulgado - Dourados (MS)
21 - Pavilhão Azul do Parque de Exposições - Maringá (PR)
22 - Parque de Exposições - Londrina (PR)
23 - Yara Clube - Marília (SP)
Meu Jesus na cruz... Isto é horrível. Como é que uma banda destas consegue desenvolver uma carreira inteira dependente de um meio musical que prima pelo vazio criativo e que inequivocadamente dando seus últimos suspiros é algo que deveria ser estudado. Talvez a explicação esteja no fato de que sua música é feita para pessoas que acham que o amor é aquilo que se vê nas novelas da Globo. Meu Jesus na cruz...

LUPA SANTIAGO SEXTETO
20 - SESC Vila Mariana — São Paulo
Excelente guitarrista, Lupa Santiago faz uma interesse ponte unindo o jaz e a MPB instrumental e é exatamente isto que ele costuma apresentar com maestria em seus shows. A "cancha" que adquiriu por ter tocado muito no exterior e ao lado de grandes nomes como Dave Liebman e até mesmo Hermeto Pascoal dão o devido gabarito à sua performance, sempre ao lado de um grande grupo de apoio. Pode ir sem susto...

FRESNO
20 - Hangar 110 — São Paulo
Show acústico? Com o Fresno? Pelo amor de Deus, fuja disto como o diabo foge da cruz...

JORGE & MATEUS (assista ao vídeo)
20 a 23 - Credicard Hall — São Paulo

BOM GOSTO (assista ao vídeo)
20 — Via Marquês — São Paulo
21 — Salão do Mazzi — Catanduva (SP)
23 — Fiorella Music bar — Avaré (SP)

CHRIS SLADE
21 — Blackmore Rock Bar — São Paulo
Que ele é um extraordinário baterista, não há a menor dúvida. Quem acompanhou sua carreira em grupos como Manfred Mann, Uriah Heep, The Firm — ao lado de Jimmy Page e Paul Rodgers -, Gary Moore e, principalmente, AC/DC sabe que o "careca" desce a mão na bateria, tem uma técnica esplendorosa e vai apresentar um repertório com canções extraídas dos trabalhos que fez com toda esta gente. A única dúvida é: com que banda ela irá se apresentar? Com seu próprio grupo ou com um "catado' de músicos brasileiros? Tem que ver isto aí...

ROBSON FERNANDES BLUES BAND
21 - SESC Vila Mariana — São Paulo
Um dos melhores gaitistas de blues do Brasil, Robson costuma mostrar repertório interessante e bons músicos a acompanhá-lo. Nesta apresentação ele terá a participação especial de um guitarrista bastante competente no gênero, o argentino Danny Vincent, o que pode render bons momentos. Dê uma espiada...

TORTURE SQUAD
21 - Hangar 110 — São Paulo
Mesmo perdendo uma figura emblemática — o carismático vocalista Vitor Rodrigues deixou o grupo -, a banda continua como um trio a estraçalhar nos ouvidos com um heavy metal da melhor qualidade. Tudo é tocado de modo bastante técnico, mas sem "masturbações solísticas", embora ninguém consiga deixar de ficar impressionado com a 'monstruosidade' do estupendo baterista Amílcar Christófaro. Mas eles precisam arrumar um novo vocalista com urgência...

ROUPA NOVA
21 e 22 - Citibank Hall — Rio de Janeiro
É aquela velha história: os caras são músicos extraordinários, com total domínio de seus instrumentos, mas ficaram presos a um mercado que não aceita nada que contenha um mínimo de criatividade musical. Resignada, a banda então vem se rendendo há anos em tocar coisas abomináveis como "Dona" e "Whisky a Go Go", feitas especialmente para agradar a um público muito pouco exigente. Infelizmente, o Roupa Nova é a prova que todo país tem o Toto que merece...

ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO
21 - Arena Iate Clube — Petrolina (PE)
22 - Terraço Show — Oeiras (PI)
23 - Praça Senador Joaquim Pires — Barras (PI)
Entra ano, sai ano... E a dupla continua a não mostrar qualquer novidade significativa em suas apresentações? Dá para esperar que os irmãos mostrem canções inusitadas, arranjos novos que fujam da mesmice e interpretações menos cafonas? Claro que não. Resumindo: quem assistir a este show vai ter uma incrível experiência de ver e ouvir o mesmo desfile de tédio sonoro, mesmo que algumas canções novas tenham sido enxertadas no repertório. Deus, que troço chato...

SAMBÔ
21 — Red Eventos - Jaguariuna (SP)
22 - Recinto de Exposições Pioneiros da Sela — Jaboticabal (SP)
23 - Célimo Buffet — Tupã (SP)
Os caras começaram a fazer certo buxixo quando mostraram suas versões "pagodísticas" para grandes clássicos do Led Zeppelin e Dio U2, entre outros. Só que aquilo que poderia se tornar algo divertido e sui generis logo caiu na vala comum da mediocridade, pois as canções do grupo nada mais são que derivações da velha "poesia de ginásio para meninas debilóides". Para piorar, a repetição de batidos clichês musicais e a total falta de carisma dos integrantes do grupo fazem ainda este show se tornar algo a se evitar...

HATEEN & GARAGE FUZZ
22 - Hangar 110 — São Paulo
Não há dúvida que os dois grupos foram — e ainda são - um dos mais importantes nomes da cena punk/hardcore brasileira durante os anos 90, embora  o som de cada um tenha mudado. Hoje, os caras estão mais próximos do senso melódico e harmônico de bandas como o Bad Religion, o que não é nada mal. Dê uma conferida no som dos caras e veja quem influenciou bastante o som do CPM 22 — não nas letras, claro.

PARALAMAS DO SUCESSO
22 — Teatro Popular — Niterói (RJ)
O que mais pode ser dito a respeito de uma apresentação dos caras? Excelência técnica, performances arrebatadoras, toneladas de canções antológicas, sinergia entre banda e plateia, exemplo vivo da força de viver de um cara que poderia ter se conformado com sua tragédia pessoal, mas que preferiu lutar contra isso em cima de um palco, junto com seus "irmãos". Pode ir ao show, que é diversão na certa. E ver João Barone tocando bateria é presenciar um workshop rítmico como bônus.

EMICIDA (assista ao vídeo)
23 - Opinião — Porto Alegre

RANCORE
23 - Hangar 110 — São Paulo
O grupo faz um som que é um amálgama de punk emo com umas pitadinhas de hardcore e Charlie Brown Jr., ou seja, é uma 'mistureba' que só agrada quem tem de 15 anos de idade para baixo — física e mentalmente. Se este é seu caso, vai aí...

STEVIE WONDER e GILBERTO GIL
23 - Imperator (show beneficente) — Rio de Janeiro
25 - praia de Copacabana — Rio de Janeiro
Stevie Wonder fez um show sensacional do mais recente Rock in Rio. Fato. O problema é que sua apresentação junto com o nosso ex-ministro pode se transformar em um "encontro de comadres" mais brega que festa de firma de final de ano. Não sei, não... Sinto um cheiro de 'roubada' no ar...