Cinco bandas de metal nacional que nada devem aos “gringos”

r-tadeu
yahoo-news-br-mira-regis

Já faz muito tempo que venho presenciando um cenário curioso no Brasil, que insiste em não se abater perante as dificuldades de um mercado musical cada vez mais popularesco e cretino. Estou me referindo ao heavy metal nacional.

A enxurrada de bandas internacionais que vem assolando nosso País há alguns anos provoca reações ambíguas. Por um lado, o público saúda estas atrações como uma oportunidade única de presenciar shows de seus ídolos. Em contrapartida, as bandas nacionais reclamam que a cena brasileira não recebe o mesmo apoio por parte deste mesmo público, que prefere guardar sua grana para ver medalhões estrangeiros do que gastar para assistir atrações daqui mesmo.

Muitas vezes, o argumento respinga onde menos deveria: na qualidade das bandas de metal nacionais.

Não vou entrar no mérito a respeito de como cada um gasta a sua grana. De minha parte, tomo aqui a iniciativa de trazer algumas bandas brasileiras que fazem um som pesadíssimo e excelente, que nada devem em relação ao que se faz lá fora. E com seus mais recentes – e ótimos - álbuns.

Escolhi cinco aleatoriamente para ilustrar este texto. Ouça, comprove e saiba que vou colocar mais um monte delas em futuros textos aqui no Yahoo…

RATOS DE PORÃO – Século Sinistro

A lendária banda de João Gordo solta mais uma ‘desgraceira’ magnífica, mesclando metal e punk com o habitual brilhantismo. Jão continua um guitarrista soberbo na hora de metralharriffs insanos, Boka é o monstro rítmico de sempre e o baixista Juninho há tempos deu uma estabilizada no som dos caras. E João é o “mestre de cerimônias” mais insano que este País já viu e ouviu. Discaço!

CARRO BOMBA – Pragas Urbanas

Enquanto a maioria das bandas vai diluindo o seu som com o passar dos anos, este ótimo grupo paulistano faz exatamente contrário: vai ficando cada vez mais pesado e violento. Em seu novo álbum o grupo se afastou de vez do hard rock com influências setentistas e mergulhou de cabeça no metal. E tudo cantado – e bem! - em português. Que paulada!

VOODOOPRIEST – Mandu

O disco de estreia da banda do ex-vocalista do Torture Squad, Vitor Rodrigues, é uma obra conceitual absurdamente bem amarrada e pesada, contando a história de Mandu Ladino, líder indígena do século 18 que liderou a guerra contra a invasão de colonizadores brancos na região onde hoje é o Piauí. O som é uma mistura de death e thrash metal de primeira categoria.

KORZUS – Legion

A veterana banda sempre gravou discos muito bons, mas já havia superado o seu alto padrão de qualidade com o espetacular Discipline of Hate, de 2010. E agora repete a dose com este ótimo trabalho, uma avalanche de raiva e peso na forma de riffsde guitarra, vocais raivosos e baterias fulminantes, que nada deve a bandas como o Slayer, por exemplo.

WOSLOM – Evolustruction

Este grupo já tinha causado espanto logo em seu trabalho de estreia, o excepcional Time to Raise, também lançado em 2010, justamente pelo repertório irrepreensível e o altíssimo grau de maturidade sônica para uma banda estreante. À primeira audição, tinha-se a impressão de um disco gravado, produzido, mixado e masterizado nos melhores estúdios internacionais. Tudo volta a se repetir neste álbum, recheado de excelentes canções e com um peso impressionante.