Incrível: o "Prêmio Multishow" piora a cada ano!

r-tadeu
Na Mira do Regis

Tenho que confessar que não tinha a menor vontade de assistir a mais uma edição de uma das mais patéticas premiações da TV brasileira: o Prêmio Multishow, um festival constrangedor de “vergonhas alheias” como há muito não se via por aqui.

Só que muitos leitores escreveram pedindo justamente isto: um texto a respeito da premiação deste ano. Certamente, eles compartilham da minha opinião e, claro, ansiosos em ver o “circo pegar fogo”, tiveram a sensação de que seria um evento imperdível – pelos motivos errados, claro. Resolvi que apenas assistiria ao show só para dar umas gargalhadas e mais nada. Só que eu não me aguentei…

A bizarrice começou, como sempre, nas entrevistas pré-show, com entrevistadores ridículos e muitas vozes esganiçadas, tentativas canhestras de humor, perguntas cretinas, respostas desinteressantes… O de sempre. Quem escolhe estes entrevistadores deveria ser multado em 60% dos seus vencimentos, só para aprender a ter um mínimo de critério.

A premiação pretendia homenagear os anos 90 em blocos específicos, por estilos, mas o que se viu foi uma série de omissões imperdoáveis e alguns dos momentos mais baixos da história musical da TV brasileira. Colocaram quatro apresentadores – Ivete Sangalo e sua roupa “sou uma veterana dançarina de charleston”, a desmiolada e gostosinha Tatá Werneck, a linda e gostosíssima Didi Wagner, e o desagradabilíssimo Paulo Gustavo, um suposto humorista tão engraçado quanto um cadáver de pastor-alemão abandonado na beira de uma estrada – que se confundiram o tempo todo, disfarçando tudo como se fosse um “improviso”. Quatro apresentadores, um pior que o outro. Quem será a pessoa que trabalha no Multishow que mantém um sujeito completamente sem graça e desagradável como este sujeito em seu cast? Mistéeeeeeeeeerio…

Um evento que começa justamente com o tal “funk carioca” não pode acabar bem, né? Poucas vezes se viu tanta gente desafinada e sem talento reunida embaixo de um mesmo teto. MC Guimê desconhece noções básicas de afinação, a dupla Cidinho & Doca deu a impressão de que fazem gargarejo com cacos de telhas mofadas, um tal de Marcinho canta como se respirasse pelas axilas e Anitta mostrou apenas que é uma garota muito gostosa, mas que cantando faz a Rita Cadillac soar como a Billie Holiday. Como foi possível reunir tanta gente desafinada em um mesmo início de um evento? Incrível…

A Banda Panamericana é uma ótima ideia que perigas naufragar por conta da inacreditável desafinação de Toni Platão. A versão de “meninos e Meninas”, da Legião Urbana, foi capaz de fazer o cadáver do Renato Russo rodopiar dentro do caixão. A cara de alívio do batera Charles Gavin quando a música acabou dá bem a medida do sofrimento em cima do palco. Enquanto Vanessa da Mata fazia muito feio na versão de “Apenas Mais Uma de Amor”, de Lulu Santos, o áudio das conversas entre os apresentadores vazava em vários momentos. Depois, Thiaguinho mostrou que não seria aprovado sequer em uma primeira fase de concurso de calouros do Raul Gil com a sua medíocre interpretação de “Beija Eu”, da Marisa Monte. Para terminar, Pitty assassinou “Malandragem”, da Cássia Eller, cantando como se tivesse um ovo de avestruz entalado na garganta.

As premiações seguiram tão animadas quanto a entrega de talões de IPTU em uma reunião de condomínio. Quem subia ao palco para receber um troféu horroroso tratava de murmurar alguns grunhidos e sair ali rapidamente para que as câmeras não os focalizassem por muito tempo. Ou talvez para fugir das “improvisações” de Tatá, todas horríveis. Para você ter uma ideia, uma das ganhadoras – a cantora Juçara Marçal - sequer compareceu à premiação, nem enviou qualquer pessoa de seu staff para recebê-lo. No fim, Criolo resolveu subiu ao palco e pegar o troféu, depois que os apresentadores começaram a dizer “Jussara? Você tá aí? Jussara?”.

Os ‘micos’ eram tão inacreditáveis que chegou a ser divertido ver o vocalista/guitarrista  do grupo Boogarins, Fernando Almeida, receber o prêmio de “Artista Revelação” das mãos de Ivete completamente chapado, como se tivesse fumado um “charutinho jamaicano”. Mas não foi nada engraçado ver a cantora Mahmundi subir ao palco para receber o troféu “Nova Canção” já pronta para cantar a sua música, “Sentimento”, portando um sistema wireless (sem fio) para ouvir e tocar guitarra e com minifones dentro dos ouvidos para funcionarem como monitores. Ué, então ela já sabia que iria ganhar o prêmio, né? Surpresa zero. Sem contar que ela apresentou sua canção vencedora com uma desafinação incrível. Alguém aí disse a palavra “marmelada”?

Algumas premiações “esquisitas” também aconteceram em outras categorias. Como a de Sam Alves, vencedor do programa The Voice Brasil, da Rede Globo, que manda no Multishow, canal de TV fechada da… Globo! Entendeu? Pois é… Ele ganhou o troféu “Experimente”. Sei…

Depois de Luan Santana cantar como um bode depois de engolir um balde de plástico, deu para sacar que o nível estava tão ruim que Daniel parecia o George Michael cantando. Já Bruno & Marrone em uma versão roqueira para “Dormi na Praça” só pode ter sido pegadinha de algum produtor sádico. E então surgiu Zezé Di Camargo, rouco como um lobisomem depois de correr a maratona de Nova Iorque, cantando um trecho da pavorosa “Você Vai Ver”, ao lado de Luciano, o coadjuvante medíocre de sempre. Horrível! Para piorar ainda mais, Gusttavo Lima surgiu cantando como se fosse um vendedor de churrasco grego em um rodeio, antes de todos eles cantarem a pavorosa “Evidências”. Sério: foi um dos maiores terrores já vistos na televisão brasileira em toda a sua história. Se estivesse assistindo lá no Nepal, o Dalai Lama quebraria a TV com um machado…

Teve bloco de axé music com a cada vez mais deliciosa Daniela Mercury, a Ivete e uns desempregados, tipo Reinaldo (ex-Gera Samba), Psirico, Léo Santana e, claro, Compadre Washington e Beto Jamaica, do finado É o Tchan. E tome as porcarias de sempre: “Lepo Lepo”, “Rebolation”…  Constrangedor como sempre.

Uma premiação que tem Paula Fernandes, Luan Santana e Thiaguinho como vencedores nas categorias “Melhor Cantora”, “Melhor Música” e “Melhor Cantor”, respectivamente, só pode ser escárnio. Votação por parte do público é uma merda tão grande que resulta nisto e em outras aberrações, como o Sorriso Maroto ganhar prêmio de “Melhor Grupo” e uma das próprias apresentadoras – Ivete Sangalo – ganhar prêmio de “Melhor Show”. Antiética total! Se bem que no caso do Luan Santana, ele é artista contratado da Som Livre, braço musical da mesma Rede Globo, que por sua vez manda no Multishow, canal de TV fechada da… Globo! Entendeu? Pois é…

As indicações disponíveis para o tal “Superjúri” também eram piadas, claro. Piadas tão grotescas que, para você ter uma ideia, a vitória da Banda do Mar com seu álbum de estreia foi até que justa. Vai vendo… Teve até uma tal de “Premiação TVZ”, que é um programa da emissora no qual são mostrados os piores clipes da galáxia, que teve Luan Santana como ganhador. Lógico: ele é artista contratado da Som Livre, braço musical da mesma Rede Globo, que por sua vez manda no Multishow, canal de TV fechada da… Globo! Entendeu? Pois é…

O único momento de dignidade surgiu no “bloco rap”, com, Emicida, BNegão e Gabriel, O Pensador, este junto com a linda e talentosa Negra Li, mandando muito bem. Já Projota poderia ter desafinado um pouco menos, né?

No setor “rock”, Lucas, do Fresno, fazendo homenagem aos Mamonas Assassinas, foi não menos que estarrecedor. Idem para o Capital Inicial que, sabe-se lá por quê, surgiu tocando “Sábado de Sol”, do extinto grupo Baba Cósmica, e depois enveredou pelo “Vira-Vira”, dos mesmos Mamonas. Poderia ficar pior? Claro! Teve Digão, dos Raimundos, fazendo “Mundo Animal” totalmente desafinado e sem timing, e a inacreditável presença de Tom Cavalcanti – recém contratado pelo próprio Multishow - fantasiado de Robin e gritando em “Brasília Amarela”.

O final do show, com alguns nomes do samba, teve como destaque o Belo tentando parecer o Igor Cavalera no visual e desafinando mais que uma foca com o pescoço rasgado por uma orca.

Pode apostar: se o seu gato assistisse ao Prêmio Multishow 2014, ele cheiraria a TV e jogaria quilos e quilos de areia em cima, antes de ir para a caixinha e dormir…