Ronaldo “Fenômeno” pensa que somos todos idiotas

Na Mira do Regis

Confesso que demorei algum tempo para “deglutir” as declarações que Ronaldo “Fenômeno” deu recentemente em uma dessas solenidades criadas para promover a Copa do Mundo no Brasil.

Custo a acreditar que Ronaldo, dentro do seu razoável nível intelectual, não saiba qual é o papel da imprensa no mundo todo. Por isto, não pode ser por desconhecimento de causa que ele peça para que todos publiquem apenas os “aspectos positivos” do evento, deixando de lado o inaceitável uso de dinheiro público para um evento que, coincidentemente, vai ocorrer em ano de eleição aqui no Brasil. Também quer que ninguém comente que a construção de doze estádios não será acompanhada de qualquer melhoria em termos de mobilidade urbana e de infraestrutura social.

Ronaldo demonstra sua indignação contra os jornalistas que buscam informações transparentes a respeito do que está acontecendo. Não se conforma que, em vez de saudar com a alegria a Copa do Mundo no Brasil, os jornalistas estejam preocupados com “coisas mesquinhas”, como os recentes e incessantes escândalos envolvendo a FIFA, como a compra de votos do Qatar para organizar a Copa de 2022, a grana que o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, recebeu para apoiar a escolha do Brasil para sediar a Copa de 2014, os gastos superfaturados dos estádios, as exigências inacreditavelmente arrogantes da FIFA...

Ronaldo quer que a imprensa compre a ideia de que está tudo bem, que o povo está feliz com a Copa. Lamento, mas a verdade do mundo real – que Ronaldo deixou de conhecer há muito tempo, desde que se tornou ‘miliardário’ – é bem outra.

Um aviso ao Ronaldo: se há um sentimento geral da população em relação a Copa do Mundo no Brasil, ele está a anos-luz de distância de algo que se aproxime dos termos “entusiasmo” e “euforia”. Pelo contrário!

Todo mundo sabe que a situação financeira do Brasil está sendo comprometida com os gastos estapafúrdios da Copa, que seria muito mais louvável que essa dinheirama toda fosse empregada em saúde e educação.

Ronaldo “faz de conta” que não percebe o que está realmente acontecendo, mas ele sabe muito bem o que está em jogo e o que pode lucrar com isto. Nem que para isto tenha que ignorar conscientemente as horrorosas condições dos trabalhadores na construção destes estádios, gente humilde que nem banheiros e água potável têm para suas necessidades básicas. A imprensa “cúmplice” desta trambicagem sequer noticia as greves que estes trabalhadores fazem por melhores condições. É revoltante...

Quando Ronaldo diz estas barbaridades com um sorriso dentuço de plástico estampado no rosto, tudo o que ele deseja é a cumplicidade de quem o vê e ouve. Acostumado a ser tietado por onde quer que vá, ele pensa que todo mundo tem que obedecer ao diz. Para ele, esta história de corrupção é uma besteira, uma bobagem sem fundamento. Seria cômico se não fosse trágico...

Que ele foi um jogador sensacional durante o auge de sua forma física, ninguém duvida. E como acontece com todo sujeito que vira milionário e famoso a ponto de se tornar um astro internacional, a mulherada caiu em cima dele. Afinal de contas, qualquer um se torna “lindo” quando tem uma conta bancária gorda em vários bancos espalhados pelo mundo. Com ele não foi diferente. Talvez tenha sido esta sensação de poder afrodisíaco que tenha transformado a personalidade do menino que veio de uma infância pobre para atingir o estrelato mundial em poucos e fulminantes anos.

Se por um lado seu carisma para encantar patrocinadores é algo que deveria se tornar tese de doutorado, ele e sua assessoria conhecem bem todos os caminhos para chamar a atenção da imprensa e das pessoas em geral. E também todos os truques para desviar a atenção deste mesmo público quando não lhe interessa.

Dou a mão à palmatória: nenhum escândalo consegue derrubar a sua imagem de “bom moço dentuço”. Nem mesmo aquela história bizarra dos três travestis no motel o fez cair em desgraça. Talvez porque os personagens envolvidos nesta história sumiram “misteriosamente” de cena em um piscar de olhos – um deles, o que abriu a boca para contar o que se passou ali com mais veemência, morreu também em circunstâncias pouco explicadas. Da mesma forma, a famosa “balada na Pop’s Drinks em Presidente Prudente” também permaneceu muito pouco tempo na memória das pessoas.

Nem mesmo a revelação de que recebeu seis milhões de reais da Rede Globo para emagrecer perante as câmeras do Fantástico provocou algum alvoroço público – aliás, Ronaldo e a Globo poderiam muito bem ter dado esta grana para o Criança Esperança, né? Por que será que não fizeram isto, em vez de pedir doações dos telespectadores por telefone? Dinheiro parece que não falta ali, né?

Lembra da simpatia demonstrada por Ronaldo em relação a Ricardo Teixeira? Era de embrulhar o estômago, né? Ainda mais porque o nefasto ex-presidente da CBF o responsabilizava pela perda da Copa do Mundo na Alemanha, já que foi Ronaldo um dos mais ativos na hora de comandar grupos de jogadores nas baladas noturnas em “estabelecimentos religiosos e carnais” depois dos jogos até às cinco da manhã do dia seguinte.

Só que em nome de uma “aliança lucrativa”, ele aceitou de bom grado o cargo de “membro do Comitê Organizador Local”, cuja função era aparecer nos canteiros de obras dos novos estádios que estão sendo construídos no Brasil, bater uma bola com os empregados, tirar fotos para os jornais e, pior, dar entrevistas louvando a administração de Ricardo Teixeira. Era de vomitar...

Quando Teixeira caiu em desgraça, Ronaldo não se abalou, pois sabia que precisariam de sua “disposição” para levantar o moral das pessoas. É isto o que ocorre atualmente.

Vê-lo ao lado de um dos mascotes esportivos mais repulsivos de todos os tempos – um tatu batizado como “Fuleco” – é ter a sensação de estarmos assistindo a um espetáculo de horror infantil. Criança nenhuma merece isto, muito menos o exemplo que o “Fenômeno” passa aos mais jovens com suas declarações “chapa-branca”...