É outubro, estúpido

Ao contrário do que acreditam, começou o mais longo dos anos. O ano das eleições estaduais e federal, que na verdade já havia começado lá em 2013.

Não sei precisar uma data, um evento específico que tenha, tal como os fogos de artifício, anunciado 2014. Alguma explosão que prenunciasse o ano vindouro, em contagem regressiva. Mas foi por ali, em meados de 2013 que o ano passado foi abortado e irrompido pela campanha eleitoral de 2014.

Ano de eleição e de reeleição. Dilma concorre para reeleição, assim como o governador de São Paulo, Alckmin. Nas eleições passadas, em 2010, Dilma era um “poste” que tinha sua inércia em Lula, o então popular presidente.

Agora é diferente. É ela contra ela mesma, contra sua gestão. Mas é extremamente difícil, diz a experiência, derrotar um candidato à reeleição. Não impossível, mas extremamente difícil.

Neste cenário, duas ações se tornam táticas eleitorais: uma blitz contra o prefeito de São Paulo, que pode capitalizar votos importantes para o PT, tanto pro governo do estado quanto para a reeleição da presidenta, e o bombardeio dos comentaristas neo-neoconservadores, cada vez mais tomados por um ódio (in)explicável.

A reprodução de Gremilins dos comentaristas neocons é tema para uma próxima coluna. Por enquanto foco na enorme campanha de desinformação que vem sendo praticada contra a gestão Haddad.

Alvejar a maior prefeitura do PT e seu maior colégio eleitoral é tentar acertar Dilma e Padilha, tirando-lhes votos preciosos.

É isso que une as campanhas contra as faixas de ônibus e a revisão da planta genérica do IPTU, iniciadas em meados de 2013, quando começou 2014.

A despeito de ser uma real política pública que privilegia, vejam só que inusitado, o transporte público, uma boa parte dos meios de comunicação, pautados por outubro de 2014, fez uma verdadeira blitz contra as faixas. O prêmio de melhor capa sobre o assunto veio da finada Época SP, culpando o trânsito – este fenômeno novo - em São Paulo à gestão Haddad.

Sobre a cidade ter a menor malha metroviária das megalópoles, nenhuma palavra. A melhora no tempo de viagem para os ônibus também não mereceu destaque. Fica claro que não é a questão urbana, da apropriação da cidade, da circulação por ela que inquietou a Época e o Estadão.

E a raiva contra a revisão, prevista em lei, do valor da planta genérica do IPTU corrobora o acima dito. A resistência foi liderada, sobretudo, por Paulo Skaf, possível candidato ao governo de São Paulo. Jogando com números, e com o zap da “especulação imobiliária”, Skaf conseguiu pautar a mídia numa cruzada contra a revisão da planta genérica (atenção: Não há aumento de alíquota, apenas a reavaliação do valor dos imóveis) que nada tinha de republicano.

O IPTU é um imposto patrimonial: assim como o IPVA, vale mais, paga-se mais. Há quatro anos, o então prefeito Gilberto Kassab fez o mesmo, reviu os valores dos imóveis em alíquotas muito superiores à propostas pela atual gestão.

ACM neto também reviu a planta genérica em Salvador no ano passado, e o aumento foi mais que o dobro que o proposto por Haddad em São Paulo.

A revista Veja, um terreno fértil daqueles colunistas acima mencionados, quis imputar a revisão da planta a uma revanche do PT, uma vingança perpetrada nos bairros em que foi derrotado. É mesmo muita criatividade, ou maucaratismo, imaginar uma vendetta neste cenário político.

Com a não revisão dos valores dos imóveis, a prefeitura de São Paulo, em situação falimentar há tempos, teve que cortar importantes investimentos.

Miram Haddad. Acertam a cidade de São Paulo e seus munícipes na tentativa de abater Padilha e, principalmente, Dilma.

2014 começou há tempos, e vai durar até o fechamento das urnas do 2º turno. A toada da blitz midiática deve continuar e se radicalizar ainda mais. Teremos os 10 meses mais longos das últimas décadas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos