Violência física e simbólica

On The Rocks

Uma menina de 11 anos era abusada sexualmente pelo seu pai. Durante os abusos, ele a chamava de “seu pedacinho de merda” . Outra vítima de estupro ouviu do seu algoz “você é a criança má, não eu. Lembre-se que foi você que começou [provocou] isso”. Uma terceira lembra de, durante os abusos sexuais, ouvir “Pare de fingir que é um ser humano”.

Em comum, além do crime, há a desqualificação da vítima. Ou bem ela não é gente, um pedaço de merda, ou o crime teria sido incitado, provocado, por aquelas que foram abusadas.

Não basta a violência sexual sofrida, tem que destruir a subjetividade da vítima. Tem que afirmar, categoricamente, que ela merece todo o sofrimento e abuso sofrido, afinal é “uma merdinha” que “provocou”.

Até entendo o estuprador fazer isso. Mecanismo de dominação e auto-indulto. Ao negar ao outro o status de humano, faz deste um mero objeto “legítimo” de suas vontades sádicas.

Ao dizer que a vítima mereceu porque provocou, porque, na verdade, ela queria ser mesmo estuprada, violada, inverte a situação: a culpa é da vítima, é ela a criminosa, que age com ardil espalhando libido.

É normal e compreensível o estuprador agir assim, distorcer a realidade o torna não-responsável pelo seu desejo, objetifica a vítima e o exime de culpa. Violenta a vítima DUAS vezes: física e simbolicamente.

Mas e quando isso é dito por outras pessoas que não o criminoso?

E quando uma jornalista de um grande veículo escreve coisas como “É claro que o ideal é que as meninas sejam respeitadas, mas, para isso, é preciso também que elas ajudem”, ou “quem se vestir de maneira mais provocante vai correr mais risco de ser desrespeitada“??

E conclui: “Os meninos têm que fazer a parte deles, e as meninas, a delas“.

Aí, caros, estamos no que os ingleses chamam de “rape culture”, ou “cultura do estupro”.

Esta cultura é a face mais visível e violenta do machismo. Ela normaliza a dominação, tolera a violência contra a mulher, naturaliza a homofobia e acaba por justificar o estupro.

Danuza Leão usa da mesma lógica do estuprador. Ao responsabilizar, ao menos em parte, a mulher e suas roupas “provocantes”, Danuza reforça uma cultura machista e violenta que vitimiza milhares de pessoas ao ano, e joga água no moinho do senso-comum.

Não, Danuza. A culpa não é das vítimas, dos seus comportamentos e muito menos das roupas que usam. É de uma sociedade moralista, violenta e machista. E de quem a justifica.

A culpa, minha cara, é também da senhora.