Após pedalar 42 km por dia para estudar, pedreiro se forma em Direito

Super Incrível
Mineiro, Joaquim chegou ao Espírito Santo com 18 anos. (Reprodução/A Gazeta)

O pedreiro Joaquim Corsino demorou quase 40 anos e perdeu as contas de quantos quilômetros pedalou, mas conseguiu finalmente realizar o seu sonho e se formou em direito esta semana. Aos 63 anos de idade, ele recebeu o diploma de graduação e emocionou sua família e colegas de curso em Vitória. A sua inspiradora história foi contada pela emissora A Gazeta, filiada da Rede Globo no Espírito Santo.

Corsino mora em Cariacica, a 21 km da capital capixaba e, todos os dias, enfrentava o percurso de ida e volta de bicicleta. “Quero ser delegado de polícia e passar num concurso público, é o meu projeto”, contou o agora bacharel em entrevista à rede de TV.

Ele tentou estudar na década de 80, mas o trabalho falou mais alto. (Reprodução/A Gazeta)

Mineiro de Itaumirim, Joaquim chegou ao Espírito Santo aos 18 e sua única formação era um curso técnico em Administração, que concluiu com pouco mais de 20. Porém, como não conseguiu passar no vestibular de Ciências Contábeis ainda na década de 1980, abandonou os estudos para trabalhar como ajudante de obra e, posteriormente, como pedreiro.

Sem desmerecer a rotina de tijolo e argamassa, a vontade de estudar era maior que qualquer coisa. Ao longo das décadas, ele reuniu R$ 55 mil e conseguiu realizar seu sonho pouco menos de 40 anos depois.

'É a 1ª vez que vejo alguém da minha família se formando', disse seu sobrinho. (Reprodução)

Mesmo assim, enfrentou problemas: apesar de ter iniciado os estudos em 2008, precisou trancar a faculdade. “Um amigo me pediu R$ 4.500 emprestados e não pagou. Aí tive que juntar mais dinheiro para poder pagar o custo todo”, conta. “Sou um camarada que gosta das coisas honestas. Sempre quis fazer um curso de direito para ajudar outras pessoas.”

Em 2012, voltou às aulas e não parou mais. Hoje, foi destaque da turma por sentar sempre na cadeira da frente, se dedicar bastante e nunca faltar. A história de Joaquim divulgada também no Encontro com Fátima Bernardes inspira muito o seu sobrinho Ralf, que ainda tem tempo para buscar o caminho que quer seguir. “É a primeira vez que eu vejo alguém da minha família se formando”, afirma o emocionado Ralf Santos.

Joaquim agora quer ser delegado: 'É o meu projeto'. (Reprodução/A Gazeta)

Além de ser delegado, o 'mineiro de Cariacica' também vislumbra passar na prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), é claro. “E quando eu leio a Constituição no artigo quinto, que fala que todos têm direitos iguais, vejo que tem muita coisa boa nela e eu gostaria de contribuir para isso”, termina.

VEJA TAMBÉM
Proibida de ir à escola na infância, aposentada aprende a ler aos 74 anos
Fotógrafo retrata pureza da infância em incrível série


Senhora dedica sua vida a pintar casas e deixar a cidade mais bonita