Após 24 anos, indiana consegue provar que está viva

Charles Nisz
Charles Nisz
7 de setembro de 2012

Asharfi Devi, hoje com 64 anos, casou aos 12 anos de idade, foi mãe aos 19, foi abandonada pelo marido aos 23 e declarada morta aos 40. Após mais de duas décadas de batalha contra a burocracia indiana, ela conseguiu provar que está viva.

O certificado de óbito falso foi obtido pelo marido dela, Ram Singh. O objetivo dele ao atestar a morte da esposa era impedir que ela tivesse direito sobre as propriedades do marido. O documento foi emitido em 30 de dezembro de 1988.

Em maio de 2012, a luta da indiana terminou. O tribunal de Barun, no distrito de Rohtas, no Estado de Bihar, norte da Índia, onde ela mora, decidiu que ela está, de fato, viva. Mas o marido continua afirmando que ela está  morta. Uma história de fazer inveja ao livro "O processo", do escritor Franz Kafka. (vi na BBC)