Argélia intercepta barco com imigrantes ilegais vindo da Espanha

Charles Nisz

Segundo matéria publicada no jornal argelino Liberté, quatro jovens espanhóis tiveram o visto de entrada na Argélia negado. Eles haviam perdido seus empregos na Espanha e se dirigiam para a cidade de Orã, no litoral do país africano, em busca de trabalho. A escolha é devido à presença de empresas espanholas na cidade.

De acordo com o embaixador espanhol na Argélia, Gabriel Busquets, o fluxo de imigrantes ilegais da Argélia para a Espanha caiu de forma drástica. Para Busquets, "a falta de emprego na Espanha, causada pela crise econômica, os esforços das autoridades argelinas e de cooperação entre os dois países para lutar contra este fenômeno" explicam a queda na imigração ilegal argelina.

Ainda segundo o diplomata espanhol, a entrada de africanos no país no início de 2012 é apenas a metade da registrada no mesmo período do ano anterior. A interceptação do bote espanhol não é a primeira mostra de que a crise europeia vem gerando uma nova tendência na rota imigratória. No primeiro semestre de 2011, mais de 50 mil portugueses iniciaram trâmites para solicitar residência no Brasil.

Em fevereiro, um grupo de 20 portugueses foi interceptado no aeroporto de Luanda, capital do país, por autoridades alfandegárias, por não portar documentação regular para a imigração.  O número de vistos angolanos concedidos a portugueses saltou de 156 em 2006 a mais de 23 mil em 2011. O mundo está mesmo do avesso em 2012, né? (vi no Opera Mundi)