Escravo chinês denuncia trabalhos forçados em bilhete escondido em brinquedo

Charles Nisz
charles_nisz

A norte-americana Julie Keith foi ao supermercado comprar enfeites para o dia das bruxas. Mas ela encontrou outra surpresa num dos brinquedos dados aos filhos: um pedido de socorro de um escravo vivendo em condições desumanas em um campo de trabalhos forçados em Masanija, China, conforme este post do site Planeta Sustentável.

Leia também:
Para construir cidade, China vai aplainar 700 montanhas

Rotinas de trabalho diárias de mais de 12 horas, sem descanso nos finais de semana ou feriados, espancamentos, falta de sono e tortura psicológica foram relatados por Zhang, codinome do escravo chinês. Num inglês rudimentar, ele apela: “Se você comprar este produto, por favor, mande esta carta para os Direitos Humanos. Milhares de pessoas na China vão ser gratas para sempre”, dizia o bilhete.

Julie pediu ajuda a grupos dos Direitos Humanos, sem sucesso. A carta acabou repercutindo no Facebook e chamou a atenção para o problema do trabalho escravo na China. Zhang escreveu o bilhete em 2008, Julie comprou o brinquedo em 2011 e o bilhete foi achado em 2012.

Em novembro de 2013, a história voltou ao noticiário porque a CNN encontrou o autor da carta. Sob garantia de anonimato, ele relatou as condições de vida no campo de Masanija. Zhang foi preso pelo governo chinês por seguir o movimento espiritual Falun Gong, proibido por Beijjng desde 1999, considerado um culto maligno.

Zhang foi condenado a passar dois anos e meio no campo de trabalho forçado - e a tortura era mais severa com quem se recusava a mudar suas crenças políticas e religiosas. No desespero, mandou 20 bilhetes, escritos com caneta e papel contrabandeados. Um deles teve o destino esperado por Zhang após três anos, em 2012.

O trabalhador chinês está livre e o campo de Masanija, aparentemente, foi desativado. Zhang agora luta por outros presos que ainda continuam na mesma situação que ele - escravizados na China. Leia aqui a entrevista de Zhang à CNN (em inglês). Uma história assustadora e comovente ao mesmo tempo, não é?