Nos EUA, carregar camisinha pode ser “indício de prostituição”

Charles Nisz
Charles Nisz

De acordo com a ONG Human Rights Watch, o porte de camisinha por mulheres tem sido usado como "indício de prostituição" pela polícia de Nova York, Los Angeles, San Francisco e Washington, as quatro maiores cidades americanas.

Segundo a ONG, essa postura dificulta os esforços de entidades locais e mesmo do governo federal em prevenir as doenças sexualmente transmissíveis e ameaça os direitos das comunidades LGBT e de imigrantes nessas cidades.

A Human Rights Watch pede que as cidades americanas promulguem leis impedindo a polícia de associar o porte de camisinhas com a prática da prostituição, crime previsto nas leis ianques. A polícia se defende dizendo que só prende pessoas "se há motivação justa" e não quer impedir os esforços contra a propagação das DST. Você concorda com a atitude da polícia? (vi na BBC)