Vamos malhar! Confira o jeito certo de exercitar seu cão

Rafael Pinto

Assim como nós, os cãezinhos também precisam fazer exercícios para perder peso e levar uma vida mais saudável. Para isso, o básico é fazer os peludos se movimentarem: levá-los para passear diariamente é fundamental! Mas o que fazer quando a voltinha na quadra não está dando conta do recado? Podemos passar disso para uma rotina mais intensa, ou essa escolha pode prejudicar nossos amigos caninos?

Leia também:
Dog walker: quando ele é necessário?
Cães abandonados são clicados a caminho de suas novas famílias
Que calor! Saiba como ajudar seu cão durante o verão

“O exercício traz benefícios, mas sem uma avaliação prévia, pode ser ineficaz e terminar apenas sobrecarregando o animalzinho”, diz o veterinário Ricardo Samy Herscovici, que atende no bairro Santa Cecília, em São Paulo. “Os cães idosos nem sempre têm condições de fazer longas caminhadas, por isso, para mantê-los saudáveis, pode ser melhor deixar o exercício num nível moderado e optar por uma redução na alimentação”, afirma.

A caminhada é sempre o melhor exercício para os cães de todas as idades, desde que consigam se movimentar com facilidade. Já a corrida só está liberada se seu amigo peludo estiver em forma. A veterinária Andrea Moraes Bernardo, que atende na clínica Leal Companheiro, no bairro Pinheiros (São Paulo), alerta que, antes de escolher qualquer atividade física, é preciso ver se a raça do seu pet comporta o esforço.

“Os cães de focinho curto e achatado, como o bulldog, o shi-tzu ou o pug, nunca devem ser levados para correr pois não têm suficiente capacidade de respirar. Os cães não suam e, quando não conseguem fazer a troca de calor pelo focinho, podem ter uma parada respiratória”, diz a especialista.

Já raças de pequeno porte, como pinscher ou dachshund, podem acompanhar o dono em corridas breves, apesar das pernas curtas, segundo explica Andrea. E o poodle, quem diria, pode ser um ótimo companheiro de esportes, mas para acompanhar treinamentos longos, só mesmo um cachorro maior como labrador ou golden retriever, ou ainda o whippet, que tem as mesmas caraterísticas do galgo, mas com porte reduzido.

Dicas para que seu cão siga uma rotina correta de fitness

- Antes de começar qualquer programa, avalie a idade e condição cardíaca do bichinho e verifique se o excesso de peso não é causado por um distúrbio metabólico.

- Para perder peso, é preferível aumentar a frequência do exercício em vez da duração ou intensidade. Três passeios diários de 20 minutos são melhores do que um de uma hora.

- Lembre-se: de nada adianta comprar uma ração de baixas calorias e incrementar com arroz ou carne moída. Também não vale dar biscoitos fora de hora!

- Brincadeiras agitadas, como frisbee, são divertidas para humanos e animais, mas não devemos esquecer que equivalem a um exercício intenso.

- Se a gordura está atrapalhando os movimentos do bichinho, vale procurar um centro que ofereça exercícios na água para os caninos queimarem calorias sem forçar as articulações.

- Se o cão precisa de tratamento para obesidade, a recomendação é levá-lo para um spa canino equipado com esteiras.