Bloqueios com terra em rodovias federais causam pelo menos dois acidentes

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Barreiras de terra montadas de maneira irregular causaram pelo menos dois acidentes em rodovias federais desde a noite de sexta-feira (18).

As ocorrências foram verificadas em estradas do Paraná e do Mato Grosso que tiveram registros de atos antidemocráticos no final de semana contra o resultado das eleições presidenciais.

Um dos acidentes ocorreu por volta de 1h20 de sábado (19) no km 466 da BR-153, no município paranaense de União da Vitória (a cerca de 230 quilômetros de Curitiba).

Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), uma van se deslocava de Palmas, também no Paraná, para Balneário Camboriú, em Santa Catarina, quando bateu em uma barreira de terra colocada na rodovia.

O veículo transportava 12 estudantes e três professores, além do motorista. Três alunos -dois garotos e uma garota- tiveram ferimentos leves.

Eles foram socorridos pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhados para um hospital de União da Vitória, conforme a PRF.

A instituição afirmou que montes de terra foram colocados sobre a BR-153 momentos antes do acidente.

"As barreiras foram retiradas ainda na madrugada e a PRF está fazendo levantamentos a fim de identificar quem colocou as barreiras para que os autores sejam responsabilizados", indicou.

Em balanço divulgado no Twitter, a PRF do Paraná informou por volta das 4h20 de sábado —três horas após o registro do acidente- que manifestantes bloqueavam os dois sentidos da pista da BR-153 na altura do km 466.

A divulgação do caso ganhou repercussão nas redes sociais após uma publicação feita no sábado pelo APP Sindicato, entidade que representa professores paranaenses.

"Uma van que transportava 12 estudantes do 9º ano e três professoras de Palmas, no interior do Paraná, em excursão para o Beto Carrero [em SC], colidiu de frente com uma barreira de terra não sinalizada erguida na calada da noite por manifestantes que pedem a volta da ditadura militar", afirmou o sindicato.

"Graças à perícia do motorista, os ferimentos registrados são superficiais, mas as consequências da irresponsabilidade poderiam ser muito mais graves", completou.

Carretas colidem no MT Durante a noite de sexta-feira (18), outro acidente ocorreu no km 582 da BR-163, em Nova Mutum, no interior do Mato Grosso (a cerca de 240 quilômetros de Cuiabá).

Um engavetamento envolveu três carretas no local. O acidente teve origem após um dos veículos atingir um monte de terra colocado na pista, segundo a concessionária Rota do Oeste, que administra o trecho.

A empresa afirma que foi acionada às 21h21 para o atendimento do caso. "A equipe de resgate da Rota do Oeste esteve no local, mas todos os envolvidos saíram ilesos e assinaram termo de recusa de encaminhamento médico", disse.

Ainda segundo a concessionária, manifestantes despejaram terra no trecho para impedir a passagem dos veículos, mas não estavam presentes na hora do acidente.

Por volta das 13h deste domingo (20), um balanço da PRF informou no Twitter que a BR-163 tinha nove pontos de interdição no Mato Grosso, nos municípios de Lucas do Rio Verde (quatro), Sorriso (três), Sinop (um) e Matupá (um). Oito desses atos bloqueavam completamente o trânsito.

A onda de manifestações antidemocráticas em rodovias do país ganhou forma após a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno das eleições, que ocorreu em 30 de outubro.

O petista, que vai para seu terceiro mandato, superou o presidente Jair Bolsonaro (PL) na votação. Grupos que apoiam Bolsonaro contestam, sem provas, o resultado das urnas.