'Bluesman', o curta do rapper Baco Exu do Blues que superou Beyoncé e Jay-Z no Cannes Lions

Amauri Terto

O curta-metragem Bluesman, do rapper baiano Baco Exu do Blues, venceu o Gran Prix (grande prêmio) do Cannes Lions - Festival Internacional de Criatividade, um dos mais importantes do mercado de publicidade do mundo - cuja edição 2019 está sendo realizada nesta semana no sul da França.

Esse é um prêmio inédito para o Brasil na categoria Entertainment for Music (entretenimento para música). Neste ano, foram dois vencedores: o incômodo clipe de This is America, do rapper Childish Gambino (codinome de Donald Glover) também foi premiado. Ambos desbancaram o clipe de Apeshit , de Beyoncé e Jay-Z, gravado no Museu do Louvre, que também estava na disputa.

Bluesman tem 8 minutos de duração e reúne trechos de três músicas do segundo disco de Baco, homônimo, que foi lançado no final de 2018. Protagonizado pelo ator Kelson Succi e pelo veterano Hilton Cobra, o filme é fruto de uma parceria entre as empresas Coala.lab, AKQA, Stink e 999.

A direção do curta é de Douglas Ratzlaff Bernardt.

O enredo do filme aborda questões de raça no Brasil, incluindo o racismo estrutural que faz o espectador considerar de imediato como bandido um personagem negro correndo em vez de um cidadão atrasado para o trabalho.

“Nós escolhemos Bluesman como o Grand Prix do ano porque é brilhante, é um trabalho de arte e é feito com classe”, disse a presidente do júri da premiação, Paulette Long, informou o jornal Estadão. “O curta-metragem reverte a simbologia da dominação branca para combater o racismo institucionalizado.”

Em nota enviada ao jornal O Globo, Baco comemorou a vitória. “A primeira coisa que pensei quando soube da notícia foi sobre a importância disso para o rap nacional. Ver o rap brasileiro chegando, disputando com o rap estrangeiro e ganhando espaço entre eles é muito impactante”, destacou o rapper.

“Além disso, o fato de um filme com um discurso negro, com todo elenco negro e que retrata a fragilidade e a força negra conseguir...

Continue a ler no HuffPost