BNDES tem lucro de R$ 12,9 bi no 1º trimestre, alta de 32% sobre igual período de 2021

RIO - O BNDES registrou lucro líquido de R$ 12,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, aumento de 32% na comparação com janeiro a março de 2021.

Esse resultado foi impulsionado pela reclassificação de JBS, com R$ 5,8 bilhões em ganho; por receita com dividendos gerados pela Petrobras, no valor de R$ 3 bilhões, pelo resultado líquido de vendas de ações, com R$ 1,3 bilhão, além de saldo positivo de equivalência patrimonial, com R$ 800 milhões, informou a instituição nesta quinta-feira.

Nos primeiros três meses do ano, o banco de fomento somou R$ 14,8 bilhões em desembolsos, 31% mais que em igual período do último ano. Deste total, 38,1% ou R$ 5,6 bilhões vão para operações com micro, pequenas e médias empresas.

A carteira de participações societárias do BNDES, que vem sendo reduzida, alcançou R$ 79,2 bilhões, com alta de 19% sobre o fim de 2021. Esse crescimento reflete a reclassificação do investimento em JBS, além da valorização da carteira de empresas não coligadas.

Em estruturação de projetos, o banco realizou leilões de privatização da autoridade portuária Codesa; de concessão do Parque Nacional do Iguaçu, entre outros.

O produto de intermediação financeira registrado no período foi de R$ 4,9 milhões, 12% acima do primeiro trimestre de 2021.

Já o ativo do Sistema BNDES atingiu R$ 749,7 bilhões, aumento de 1,7% frente ao quatro trimestre do ano passado. A carteira de crédito expandida alcançou R$ 442,9 bilhões, com redução de 1,6% ante os três meses anteriores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos