BNDES vai devolver R$ 116,2 bilhões ao Tesouro até o fim de 2022

O Globo
·1 minuto de leitura

RIO - O BNDES deve antecipar R$ 62 bilhões em devoluções de recursos ao Tesouro até dezembro deste ano e outros R$ 54,2 bilhões até o fim de 2022. Os valores constam de um acordo assinado entre o banco de fomento e o Ministério da Economia. O documento foi encaminhado nesta sexta-feira para apreciação pelo Tribunal de Contas da União.

Ao todo, o banco de fomento tem um salto em dívidas de R$ 116,2 bilhões a restitiuir ao Tesouro. Serão descontados deste valor os R$ 38 bilhões pagos antecipadamente neste mês de março.

Desde dezembro de 2015, o BNDES tem feito devoluções antecipadas de contratos de empréstimos fechados entre o banco e a União. Durante os de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, o caixa da instituição era complementado com recursos do Tesouro, em contratos com prazos a perder de vista, para serem emprestados em operações de crédito ou participações societárias.

Com o colapso fiscal do paísl, essas entradas passaram a ser devolvidas antecipadamente. Em 2019, foram retornados R$ 123 bilhões ao Tesouro, sendo R$ 100 bilhões em empréstimos antecipados. No total, houve devolução de R$ 409 bilhões.

Em 2020, com a pandemia, o BNDES suspendeu esses repasses ao Tesouro sob a justificativa de voltar esforços para medidas emergenciais para combater os efeitos da Covid-19.