Boca Juniors pede que torcida não cometa racismo contra Corinthians

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
As três partidas envolvendo o Boca Juniors e o Corinthians tiveram atos de racismo neste ano.
As três partidas envolvendo o Boca Juniors e o Corinthians tiveram atos de racismo neste ano. Foto: (REUTERS/Amanda Perobelli)

Um comunicado emitido pelo Boca Juniors nesta terça-feira, antes da partida contra o Corinthians, válida pelo segundo jogo das oitavas de final da Copa Libertadores da América, pede para que os torcedores argentinos não cometam atos de racismo no jogo das 21h30, na Bombonera.

Nas três partidas entre as duas equipes, apenas neste ano, episódios de injúria racial foram detectados nos setores destinados aos torcedores hermanos. O clube argentino, inclusive, já foi punido pela Conmebol com multa e corre o risco de jogar com portões fechados ou ter parte da arquibancada de La Bombonera interditada.

Leia também:

Na semana passada, foi aberto pela Conmebol mais um "Expediente Disciplinar" contra o Boca Juniors pelos casos de racismo cometidos pela torcida do clube argentino contra torcedores do Corinthians na Neo Química Arena na última terça-feira, no empate em 0 a 0 entre as duas equipes na partida de ida das oitavas de final da Copa Libertadores da América. Antes mesmo do apito inicial do árbitro, imagens já circulavam nas redes sociais mostrando argentinos fazendo gestos nazistas e imitando macacos nas arquibancadas do imponente estádio de Itaquera. Três homens foram presos, sendo que dois realizaram o pagamento de R$ 20 mil de fiança e foram liberados pela polícia.

Leia o comunicado do Boca na íntegra:

"Diante da revanche contra o Corinthians do Brasil, pelas oitavas de final da Copa Libertadores, o Boca Juniors chama mais uma vez à reflexão os torcedores para viver a partida desta terça na Bombonera com paixão, mas longe de todo tipo de manifestação racista. Esta nova partida contra uma equipe do Brasil representa outra oportunidade para rechaçar qualquer ato xenófobo que ataque os direitos de qualquer grupo e para demonstrar o aprendizado dos episódios recentes, que não apenas causam dano à imagem do clube como também à economia. O Boca, vale dizer mais uma vez, não discrimina. Cabe recordar mais uma vez que a Conmebol endureceu severamente as multas aos clubes participantes em casos de racismo e que a reiteração destes comportamentos não apenas podem acarretar penas econômicas maiores, mas também até o fechamento do estádio. Da mesma forma, de parte do clube esse tipo de conduta implica uma ação que pode ser passível das sanções mais duras previstas no estatuto, como a expulsão da condição de sócio ou sócia".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos