Boeing investe R$ 2,5 bilhões em startup de táxi aéreo

·3 min de leitura
Wisk Aero, táxi aéreo totalmente elétrico autônomo apoiado pelo cofundador do Google, Larry Page, diz que recebeu US$ 450 milhões adicionais em financiamento da Boeing (Getty Images)
Wisk Aero, táxi aéreo totalmente elétrico autônomo apoiado pelo cofundador do Google, Larry Page, diz que recebeu US$ 450 milhões adicionais em financiamento da Boeing (Getty Images)
  • Boeing está dobrando seu investimento no setor de táxi aéreo

  • Concorrência no espaço de táxi aéreo é acirrada, com financiamentos ultrapassando R$ 70 bi

  • Na próxima década, poderá haver cerca de 20 mil voos diários de táxis aéreos

A Boeing está dobrando seu investimento na empresa autônoma de táxi aéreo Wisk Aero. A fabricante de aviões está comprometendo outros US$ 450 milhões (mais de R$ 2,5 bilhões) com a startup do Vale do Silício que está desenvolvendo sua tecnologia em conjunto com a Kittyhawk, a empresa de aviação autônoma apoiada pelo cofundador do Google, Larry Page.

“Com esse investimento, estamos reafirmando nossa crença nos negócios da Wisk e na importância de seu trabalho no pioneirismo da capacidade autônoma totalmente elétrica, orientada por IA para a indústria aeroespacial”, disse o diretor de estratégia da Boeing, Marc Allen. “A autonomia é a chave para desbloquear a escala em todas as aplicações avançadas de mobilidade aérea, do passageiro à carga e além [...] por isso que a autonomia direta é um princípio fundamental”, acrescentou.

Leia também:

Concorrência pesada

A concorrência no espaço de táxi aéreo é acirrada, já que rivais como Joby Aviation e a empresa alemã Lilium já testaram alguns protótipos. Desde 2010, o financiamento para táxis aéreos atingiu US$ 12,7 bilhões (quase R$ 70 bi) - sendo que, somente no ano passado, o financiamento mais que dobrou para US$ 7 bilhões (perto de R$ 40 bi), de acordo com uma análise da McKinsey.

Voos diários devem aumentar

Na próxima década, poderá haver cerca de 20 mil voos diários de táxis aéreos, segundo tais análises. A Wisk, por sua vez, diz que o financiamento permitirá aumentar sua força de trabalho atual de 350 funcionários. Dentro de cinco anos, espera começar a realizar 14 milhões de voos comerciais anuais em 20 grandes cidades ao redor do mundo.

Diferente dos concorrentes

A empresa diz que a injeção de dinheiro também aumentará a produção de seus eVTOLs de sexta geração - um veículo elétrico vertical de decolagem e pouso. Wisk diz que a iteração mais recente é um “diferenciador competitivo” de seus rivais, pois é “habilitada pela tecnologia autônoma da empresa”. A rodada de financiamento é uma boa notícia para a Wisk, principalmente à luz de uma longa batalha legal que vem travando com um concorrente no ano passado.

Wisk Aero na justiça

A Archer Aviation processou a Wisk em US$ 1 bilhão (pouco mais de R$ 5 bilhões) depois que a empresa inicialmente acusou a startup apoiada pela United Airlines de roubar segredos comerciais envolvendo seu eVTOL. O 'contra processo' de Archer foi arquivado no verão passado em resposta à “campanha de difamação extrajudicial falsa e maliciosa de Wisk que causou danos substanciais a Archer”. A empresa planeja lançar comercialmente seu primeiro táxi voador elétrico “Maker” em 2024.

Já a Wisk processou a Archer na primavera passada por supostamente roubar seu projeto de avião elétrico depois de contratar vários engenheiros da empresa em dezembro de 2019 e janeiro de 2020. Mas Archer - cujos investidores incluem a United Airlines e a gigante automobilística que controla a Fiat-Chrysler e a Ferrari, além de Alex Rodriguez e Jennifer Lopez - argumentou que Wisk de fato roubou os projetos no centro do caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos