Bolão da Mega da Virada se transforma em caso de polícia no interior de SP

FRANCA, SP (FOLHAPRESS) - O prêmio milionário da Mega-Sena da Virada de 2022, que teve uma aposta vencedora em São José da Bela Vista (a 393 km de São Paulo), virou caso de polícia e um imbróglio deve se arrastar para a Justiça.

O sorteio de R$ 541.966,29 aconteceu no último dia 31 e cinco apostas, entre elas um bolão de nove cotas de São José, dividiram o prêmio. Além da cidade do interior paulista, Santos, Florestal (MG) e Arroio do Sal (RS) também registraram apostas vencedoras, juntamente com uma feita pela internet.

O que antes era visto como um mistério na pacata cidade, com pouco mais de 7.600 habitantes, a identidade do organizador do bolão premiado virou assunto de todas as rodas de conversa quando um grupo de apostadores decidiu requerer parte da bolada ao descobrir que não estava com os nomes listados entre os ganhadores.

Segundo o advogado Mário Bassi, que defende dez integrantes desse grupo, eles foram convidados para participar do bolão, pagaram o valor referente por suas cotas e, quando saiu o prêmio, descobriram que o idealizador havia feito dois bolões diferentes -e o deles era o não contemplado. No total, o segundo bolão contava com 35 apostadores.

"Os meus clientes foram abordados para que participassem do bolão. Eles pagaram R$ 30 por cota e quando saiu o prêmio procuraram pelo detentor do bilhete. Inicialmente ele disse que faria o acerto, depois esquivou e agora, parou de dar resposta."

O bolão vencedor foi registrado na única lotérica da cidade com nove cotas e, assim, como as outras apostas ganhadoras faturou R$ 108.393.993,26. Cada participante, portanto, recebeu mais de R$ 12 milhões. Segundo a Caixa Econômica Federal, todas as nove cotas referentes ao bolão de São José da Bela Vista já foram sacadas.

Revoltados com o silêncio e sumiço do idealizador do bolão, os apostadores que ficaram de fora do rateio decidiram procurar a polícia e registrar um boletim de ocorrência. A Polícia Civil confirmou à reportagem a existência da ocorrência, mas informou se tratar de um boletim não criminal, e sim de preservação de direitos.

"Eles são colegas de trabalho, amigos. Funcionários públicos e motoristas, do mesmo nicho de amizade que agora se sentem lesados e querem a parte correspondente do prêmio", disse Bassi, o advogado do grupo.

Ainda de acordo com ele, a ação já foi protocolada na Justiça, e o grupo possui prints e gravações que comprovam a participação no bolão.

Do outro lado da história está o idealizador do bolão, um ex-secretário municipal de São José da Bela Vista. Segundo o advogado que o representa, Thiago Granzotti, seu cliente não agiu de má-fé e em nenhum momento escondeu qualquer tipo de aposta na intenção de obter vantagem.

Granzotti disse que o grupo do bolão premiado existe de maneira organizada desde 2015, realiza apostas na Mega-Sena mensalmente e que na Mega da Virada de 2022 não foi diferente.

"Reunidos, fizeram as apostas e cada qual ficou com sua cota. Paralelamente, ele fez um bolão com mais quantidade de pessoas, mas eram separados. Em nenhum momento foi dito que os bolões seriam juntos. Não houve uso de recurso de um no outro e vice-versa. Não há complexidade, tudo é muito claro", disse.

O advogado afirmou ainda que seu cliente e os demais ganhadores do prêmio em São José da Bela Vista estão ausentes do município por segurança, uma vez que já receberam ameaças para repartir o tão desejado prêmio.