Bolívia decreta quarentena e suspende eleição devido ao coronavírus

SYLVIA COLOMBO

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O governo da presidente interina da Bolívia, Jeanine Añez, decretou neste sábado (21) quarentena por 14 dias no país, devido à pandemia do novo coronavírus. A medida, que passa a valer neste domingo (22), determina que apenas uma pessoa por família pode sair para fazer compras em centros de suprimento que abrirão diariamente até o meio-dia.

As fronteiras terrestres e aéreas do país também estão fechadas a partir deste sábado, e o transporte de passageiros entre departamentos bolivianos está limitado. Já a circulação de veículos públicos e privados está proibida. A única exceção é para aqueles que transportam suprimentos.

Os bolivianos que trabalham em serviços essenciais e aqueles escolhidos pelas famílias para comprarem alimentos e remédios precisarão apresentar documentação que os permita circular, em medida similar à tomada pela Argentina.

Após o anúncio da quarentena, o Tribunal Supremo Eleitoral da Bolívia suspendeu a eleição presidencial marcada para 3 de maio. Daqui a 15 dias, a princípio fim do prazo do isolamento, o tribunal se reunirá mais uma vez para decidir se é possível realizar a votação na data provista ou se o pleito será adiado.

O tribunal afirma que a revisão será feita de acordo com a evolução da quarentena decretada pelo Poder Executivo.