Bolívia proibirá entrada de viajantes vindos da Europa por covid-19

·2 minuto de leitura
Trabalhador de saúde com traje de proteção caminha por uma rua da cidade de Villazón, Bolívia, na fronteira com a Argentina, em 9 de novembro de 2020

A Bolívia proibirá a partir da próxima sexta-feira e por duas semanas a entrada de viajantes vindos da Europa, após a divulgação da existência de uma nova cepa do coronavírus no Reino Unido, anunciou o governo nesta terça-feira (22).

"A partir da 0h de 25 de dezembro, será restrito o acesso a todos os passageiros provenientes da Europa até 8 de janeiro", disse em coletiva de imprensa o vice-ministro da Saúde, Álvaro Terrazas.

Ele explicou que passadas duas semanas, "será feita uma reavaliação da situação epidemiológica e dos informes internacionais sobre o comportamento da pandemia e do vírus".

O Ministério da Saúde informou, em seguida, em um comunicado à imprensa que se recomenda às pessoas que têm previsto chegar à Bolívia que "tomem precauções para a reprogramação de voos".

Devido ao surgimento de uma mutação do vírus, cerca de 30 países suspenderam ou restringiram as conexões com o Reino Unido.

A Bolívia tem apenas um voo direto na rota Madri-La Paz, mas os viajantes europeus também costumam usar outras conexões para chegar à Bolívia, através, por exemplo, de aeroportos em Brasil, Argentina e Peru.

Até que a ordem entre em vigor, os viajantes de todos os países devem cumprir medidas de biossegurança, como portar um teste PCR negativo realizado no máximo 72 horas antes, e em território nacional devem se submeter a outros exames.

O ministro da Saúde, Edgar Pozo, disse na mesma coletiva que se estima que o auge do repique da covid-19 ocorrerá em fevereiro de 2021 na Bolívia.

"O recrudescimento do coronavírus pode estar por volta do mês de fevereiro no pico mais alto", disse, acrescentando que sua pasta trabalha em coordenação com as prefeituras e os governos regionais para enfrentar o problema.

Desde que o novo coronavírus foi detectado na Bolívia, em março, o país registrou até agora mais de 150.300 infectados e mais de 9.040 mortos.

Pelo menos duas regiões da Bolívia, La Paz e Santa Cruz (leste), registraram um aumento de casos. Santa Cruz declarou oficialmente na semana passada que está em "uma segunda onda".

Os serviços públicos de saúde começaram a alcançar o topo de sua capacidade de atendimento.

jac/lda/mvv