Bolsa avança puxada por commodities, mesmo após inflação de dezembro acima do esperado

·2 min de leitura

RIO - A Bolsa brasileira avança nesta terça-feira e volta ao patamar dos 103 mil pontos, alavancada por empresas de commodities metálicas e de petróleo. O desempenho positivo ocorre apesar dos dados de inflação acima do esperado para o mês de dezembro.

Investidores repercutem ainda a fala do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que disse nesta terça-feira que a alta da inflação no país representa uma ameaça à retomada do mercado de trabalho no país, e que o banco central americano poderá aumentar as taxas de juros mais que o planejado se isso for necessário para conter a alta de preços.

Por volta das 14h30, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de São Paulo, subia 1,4%, aos 103.335 pontos.

Já o dólar comercial tinha queda de 1,3%, cotado a R$ 5,60.

Minério de ferro em alta puxa siderúrgicas

Entre as ações, as ordinárias da Vale (VALE3) registravam alta de 1,67%, enquanto as preferenciais da Usiminas (USIM5) avançavam 5,14%.

Com a expectativa de melhora na demanda por aço na China, os preços do minério de ferro se recuperaram.

O minério com 62% de teor de ferro foi cotado a US$ 129,17 a tonelada no porto de Qingdao, uma alta de 3,2% em relação a segunda-feira, conforme a Fastmarkets MB. A commodity acumula alta de 6,97% no ano.

A Metalúrgica Gerdau (GOAU3) tinha alta de 1,80%.

Na ponta positiva, destaque também para a alta de 2,86% nas ações preferenciais da Petrobras (PETR4) e de 3,65% nas ações ordinárias da companhia (PETR3).

O barril de petróleo também tem alta no exterior. O WTI, negociado em Nova York, avança 3,59%, aos US$ 81,04. Já o Brent, negociado em Londres, sobe 3,18%, aos US$ 83,44.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos