Bolsa sobe mesmo com ameaça de Trump de não sancionar pacote de estímulos

O Globo
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO —Na última sessão antes do Natal, o Ibovespa opera em alta, apesar das ameças do presidente Donald Trump em não assinar o pacote de estímulos econômicos aprovado pelo Congresso americano. O Ibovespa se valoriza 0,67% aos 117.383 pontos. O mercado avalia que, mesmo diante da postura de Trump, o pacote vai sair do papel.

O dólar comercial opera com leve alta de 0,12% cotado a R$ 5,16 na venda. Na máxima do dia, a moeda americana bateu em R$ 5,17 e, na mínima, desceu até R$ 5,12.

Trump disse que o pacote aprovado é "uma desgraça" e deve ser modificado para elevar o valor dos cheques de estímulo para os americanos. A ameaça do presidente, que deixa o cargo em menos de um mês, coloca em risco um esforço bipartidário no Congresso para ajudar pessoas que foram afetadas pela pandemia.

“O projeto que eles estão planejando enviar agora para minha mesa é muito diferente do que o esperado”, disse Trump em vídeo no Twitter. “É realmente uma desgraça”.

O presidente americano que elevar de US$ 600 para US$ 2 mil os cheques a serem dados a acada americano que precisa de ajuda. O valor aprovado, disse ele, é “ridiculamente baixo”.

Na China, o preço do minério de ferro caiu 6% após uma mudança nas regras de negociação para evitar movimentos especulativos com a commoditie. A tonelada do minério na bolsa de Dalian encerrou o dia cotada a US$ 156,95, mas chegou a cair 9,1% durante a sessão. O valor do minério dobrou este ano, impactando positivamente as ações da Vale.