Bolsas europeias operam com queda de quase 5%. Asiáticas fecharam em baixa

O Globo, com agências

TÓQUIO E LONDRES - Apesar dos novos pacotes de estímulos anunciados por governos na terça-feira, os mercados globais mantêm perdas. As bolsas europeias estão operando em forte queda, tendência verificada também na Ásia.

Por volta das 7h (hora de Brasília), a bolsa de Londres recuava 4,94%, enquanto Paris apresentava queda de 4,64%. Na bolsa de Frankfurt, a queda era de 4,63% e Madri apresentava perda de 3,24%.

O mercado de ações voltou a cair na Ásia também. A Bolsa de Tóquio recuou 1,68%, seu pior fechamento desde novembro de 2016. Já o índice Topix, que agrupa as empresas com maior capitalização no mercado japonês, reverteu a tendência, fechando com alta de 0,19%.

Na China, o índice CSI 300, que reúne empresas listadas em Xangai e em Shenzen, fechou com queda de 1,98%. Já o SSE da bolsa de Xangai recuou 1,83%.

A Bolsa de Seul despencou 4,86%. Em Hong Kong, a queda foi de 4,18%. Já a bolsa de Sidney registrou desvalorização de 6,43%.

Nessa terça-feira, o governo Trump anunciou que iiria pedir ao Congresso dos EUA a aprovação de um pacote de socorro à economia avaliado em US$ 850 bilhões. A quantia seria para permitir a redução de valores das contribuições sobre as folhas de pagamento e também para socorrer empresas aéreas. Entre as medidas, está adistribuição de dinheiro aos americanos.

Além disso, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, informou que o Federal Reserve relançará um programa de compras de dívidas corporativas de curto prazo, uma operação estimada em US$ 1 trilhão.

Petróleo mantém queda

O preço do petróleo também continua em queda, mantendo o patamar abaixo de US$ 30. O barril do Brent, para entrega em maio, era negociado a US$ 27,78, queda de 3,31%.