Bolsonarista aparece em evento de Lula no RJ e gera confusão

Homem dirigindo um carro com adesivos de Jair Bolsonaro como motorista e Lula como prisioneiro discute com militantes petistas (Foto: ANDRE BORGES/AFP via Getty Images)
Homem dirigindo um carro com adesivos de Jair Bolsonaro como motorista e Lula como prisioneiro discute com militantes petistas (Foto: ANDRE BORGES/AFP via Getty Images)

Candidato ao Palácio do Planalto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cumpre agenda na manhã desta sexta-feira (9) em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Na porta do Clube Tamoio, onde o evento com evangélicos vai acontecer, apoiadores do petista se reuniam quando um carro adesivado com a foto do presidente Jair Bolsonaro (PL) dirigindo e uma imagem de Lula na prisão passou com velocidade reduzida. A informação é do portal UOL.

Um dos militantes petistas, então, deu um tapa no veículo e o motorista, identificado como Rodrigo, saiu do carro com celular em punho procurando quem tinha dado o tapa.

Uma confusão começou e, ainda segundo o portal UOL, apoiadores, policiais federais e seguranças do evento cercaram Rodrigo para que ele saísse de lá.

Outro homem deu um tapa no celular do apoiador de Bolsonaro, o que acabou desencadeando uma briga generalizada.

A confusão foi apaziguada, mas Rodrigo estava com a lateral direita do rosto sangrando. Ele também gritava que seu celular tinha sido roubado.

Um policial federal disse que havia achado o aparelho e pediu para que ele deixasse o local.

O bolsonarista agradeceu à Polícia Federal, e não houve registro de ocorrência, informou o portal UOL.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)