Bolsonaristas alvos de ação da PF são identificados em RO; Um está foragido

Os bolsonaristas Ricardo Yukio Aoyama (à esquerda) e Joel Pires Santana foram identificados e são alvos da PF em RO - Foto: Reprodução
Os bolsonaristas Ricardo Yukio Aoyama (à esquerda) e Joel Pires Santana foram identificados e são alvos da PF em RO - Foto: Reprodução
  • Dois bolsonaristas já foram identificados. Um dos homens portava arma e carregadores;

  • Alvos são suspeitos de participar de vandalismo e atos antidemocráticos em Brasília (DF);

  • Na ocasião, oito veículos foram incendiados, prédios públicos e privados foram depredados e bolsonaristas tentaram invadir a sede da PF no Distrito Federal.

Nesta quinta-feira (29), cinco mandados de prisão são cumpridos contra apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) em Roraima. Os alvos são suspeitos de participar dos atos de vandalismo promovidos em Brasília (DF), no dia 12 de dezembro.

Dois homens já foram identificados: Ricardo Yukio Aoyama, de 33 anos, em Ariquemes (RO), e Joel Pires Santana, 40 anos, em São Francisco do Guaporé (RO).

Os mandados fazem parte da operação deflagrada nesta quinta pela Polícia Federal e Polícia Civil do Distrito Federal. Além das prisões em Roraima, a PF ainda cumpre oito mandados de busca e apreensão no estado.

Arma

Segundo informações obtidas pelo portal G1, durante as buscas na casa de Ricardo, a polícia apreendeu uma arma, quatro carregadores e diversas munições. Nas redes sociais, ele se apresenta como apoiador de Bolsonaro e mantém ligação com grupos extremistas.

Os crimes investigados pela polícia são de dano qualificado, incêndio, associação criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado. As penas máximas atingem 34 anos de prisão.

Além de Rondônia, são cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão no Distrito Federal, Pará, Mato Grosso, Tocantins, Ceará, São Paulo e Rio de Janeiro. As ordens judiciais foram expedidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Entre os alvos, estão apoiadores de Bolsonaro que frequentavam o acampamento instalado nos arredores do Quartel-General do Exército, no Setor Militar Urbano (SMU), em Brasília.