Bolsonaristas ameaçam estudantes durante ato golpista no Pará

Bolsonaristas ameaçam estudantes em ato - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Bolsonaristas ameaçam estudantes em ato - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Estudantes de escola pública de Belém foram ameaçados por manifestantes bolsonaristas

  • Episódio foi gravado em vídeo e viralizou nas redes sociais

  • Imagens mostram alunos acuados por três manifestantes

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) ameaçaram estudantes de um colégio público de Belém, no Pará, durante manifestação golpista na última segunda-feira (8) pela manhã. O episódio foi registrado em vídeo e viralizou nas redes sociais.

As imagens mostram estudantes com uniformes da Escola Estadual Pedro Amazonas Pedroso sendo acuados e intimidados por, pelo menos, três homens.

O episódio ocorreu em uma passarela de pedestres na Avenida Almirante Barroso, ao lado do 2º Batalhão de Infantaria de Selva do Exército, onde manifestantes estão concentrados há mais de uma semana, após a derrota de Bolsonaro para Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição presidencial.

O vídeo mostra um dos bolsonaristas, mais exaltado, vestido de branco, gritando: "Estudantes? Querendo avacalhar com nosso movimento? Respeita, moleque".

Outros dois homens cercam os alunos, que tentam se defender. Um deles, vestindo uma camisa com a bandeira do Brasil, aponta para o peito e diz: "Aqui é patriota".

Os jovens argumentam, o que parece apenas enfurecer ainda mais o rapaz de camisa branca, que volta a gritar: "Sai fora daqui agora! Sai fora! Respeita o nosso movimento!".

Ao perceber que estava sendo filmado, o mesmo homem volta-se para a pessoa com a câmera e diz: "Para de filmar que aqui não tem nenhum vagabundo".

Sindicato se manifesta

Em nota enviada ao portal UOL, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp) informou que os alunos que foram intimidados são do último ano e haviam ido à escola buscar documentos para a realização do Enem.

"As aulas deles agora estão acontecendo em outro espaço, mas eles precisaram ir até a escola para ver esses documentos. Como todo estudante, eles fizeram uma brincadeira quando passaram e começou a confusão", informou o coordenador de comunicação do Sintepp, Beto Andrade, ao UOL.

O dirigente revelou que há outras duas escolas na área onde está acontecendo o protesto e pediu urgência, diante do risco de novos confrontos.

"A nossa preocupação é porque há muitas crianças e adolescentes lá e se ocorrer algum confronto da polícia com os golpistas e isso fugir do controle, é um risco para eles. É preciso uma presença forte do estado, da força policial, para evitar que atitudes como essa se proliferem."