Bolsonaristas invadem área do Congresso, e PM reage com bombas

BRASÍLIA, DF, 08.01.2022 - PROTESTO-BOLSONARISTAS-DF - Manifestantes bolsonaristas usam grades de ferro para improvisar barracas na Esplanada dos Ministérios (Crédito: João Gabriel/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 08.01.2022 - PROTESTO-BOLSONARISTAS-DF - Manifestantes bolsonaristas usam grades de ferro para improvisar barracas na Esplanada dos Ministérios (Crédito: João Gabriel/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Manifestantes bolsonaristas com pedidos antidemocráticos entraram na Esplanada dos Ministérios na tarde deste domingo (8), invadiram uma área do Congresso, se dirigiram às proximidades do Palácio do Planalto e entraram em confronto com a PM.

A Polícia Militar lançou bombas de efeito moral contra os integrantes do ato violento dos apoiadores de Jair Bolsonaro (PL), que repetiram atos de vandalismo em Brasília.

Um grupo centenas de manifestantes, vindo do acampamento diante do Quartel-General do Exército, chegou à Esplanada e se concentrou em frente ao Ministério da Justiça.

Uma parte invadiu a parte superior e a área interna do Congresso e, em seguida, os manifestantes avançaram para a Praça dos Três Poderes, onde houve confronto.

Em reação às bombas, manifestantes soltaram fogos de artifício.

O governo Lula prometia desmobilizar os acampamentos montados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro em frente ao quartel-general do Exército, em Brasília.

Na última quarta-feira (4), o ministro da Justiça, Flávio Dino, havia afirmado que "até sexta-feira", 6 de janeiro, as mobilizações antidemocráticas seriam resolvidas.

"A condução que eu tenho com o [José] Múcio [ministro da Defesa] é de que estará resolvido até sexta", disse.

No entanto, o que se viu foi o oposto. Além de não ter conseguido expulsar os manifestantes, o governo teve que acionar a Força Nacional para reforçar a segurança da Esplanada dos Ministérios.