Bolsonaristas se casam em frente a quartel em ato golpista; veja o vídeo

Casamento aconteceu em meio aos atos bolsonaristas que pedem um golpe militar, no Paraná. (Foto: Reprodução/Twitter)
Casamento aconteceu em meio aos atos bolsonaristas que pedem um golpe militar, no Paraná. (Foto: Reprodução/Twitter)
  • Bolsonaristas se casam em frente a um quartel do Exército;

  • Local estava cheio de manifestantes que não aceitam a derrota de Bolsonaro nas urnas;

  • Segundo uma página do Instagram, casal estava fora de casa há 37 dias para participar dos protestos.

Um casal de Ponta Grossa, no Paraná, decidiu se casar em frente a um quartel do Exército, onde bolsonaristas que não aceitam o resultado das eleições realizavam atos golpistas.

Imagens da cerimônia circularam nas redes sociais e internautas identificaram que o local escolhido foi a Praça da Catedral. O lugar foi adornado com uma estrutura de madeira com panos brancos, tapete com pétalas e flores. Atrás dos noivos, havia uma grande bandeira do Brasil.

O homem e a mulher que se casaram também estavam com os trajes tradicionais do evento – terno e um longo vestido branco. Havia crianças vestidas como ‘daminha’ e ‘pajem’, convidados com roupas sociais e outros que acompanhavam a cerimônia enrolados em bandeiras verde-amarelas.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

De acordo com uma página que divulgou fotos do evento, o casal estava com o “casamento marcado para essa data, mas não abandonaram o compromisso de lutar pelo país, e decidiram fazer a cerimônia na praça”. Eles supostamente passaram “mais de 37 dias fora de casa, dormindo em barracas e servindo o povo na cozinha improvisada”.

Desde o dia 30 de outubro, data do segundo turno que deu vitória a Lula (PT), apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) realizam protestos contra o resultado das urnas. Os movimentos, que pedem anulação da eleição e intervenção militar – por isso, chamado de golpistas -, começaram fechando rodovias e migraram para as portas dos quartéis.

Em ocasiões passadas, militares deixaram claro que não dariam um golpe. O próprio Jair Bolsonaro reconheceu a derrota nas urnas e seu vice-presidente, Hamilton Mourão, chegou a falar que os protestos não impedem a posse de Lula.