Bolsonaro é tietado em condomínio de luxo na Flórida no último dia como presidente do Brasil

Após deixar o Brasil e se recusar a passar a faixa presidencial para o petista Luiz Inácio Lula da Silva, Jair Bolsonaro passará o último como chefe do Executivo em Orlando, na Flórida. Hospedado em um condomínio fechado na cidade americana, ele tem sido assediado por vizinhos desde que chegou. Nas redes sociais, brasileiros têm postado fotos e vídeo com o presidente.

Bolsonaro, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e a filha do casal, Laura, de 12 anos, estão hospedados na casa do ex-lutador de MMA, o brasileiro José Aldo. A residência está localizada em um condomínio em que moram outros brasileiros.

Na maioria das imagens postadas, o presidente aparece vestindo bermuda e camisa do Athletico Paranaense. Num dos vídeos, gravado em frente à casa de José Aldo, ele está usando de camisa azul. Em outro momento, apoiadores fizeram selfies com o político.

O avião com Bolsonaro decolou de Brasília no início da tarde de sexta-feira e, por volta das 17h, pousou no Aeroporto Internacional de Boa Vista (RR) para abastecer. Pouco depois das 19h, o jato deixou o espaço aéreo do Brasil com destino a Orlando, onde aterrissou por volta das 23h. Ele viajou em um avião da Força Aérea Brasileira, acompanhado de Michelle Bolsonaro, Laura e auxiliares e seguranças.

Última live

Pouco antes de deixar o Brasil, Bolsonaro fez um pronunciamento de quase uma hora nas redes sociais. Ao longo da transmissão, ele se defendeu de críticas, chorou, falou pela primeira vez do governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, e condenou atos terroristas em Brasília. Apoiadores de Bolsonaro foram alvos de uma operação da Polícia Federal após incendiarem veículos e tentarem explodir uma bomba nos arredores do aeroporto de Brasília.

— Nada justifica, aqui em Brasília, essa tentativa de um ato terrorista, aqui na região do aeroporto de Brasília. Nada justifica. Um elemento, que foi pego, graças a Deus, com ideias que não coadunam com qualquer cidadão — disse Bolsonaro.