Datafolha: Bolsonaro é visto como quem mais ataca mulheres e democracia

No debate na TV Globo, Bolsonaro (PL) foi acusado por Lula (PT) de frequentemente cometer violências verbais às mulheres - Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress
No debate na TV Globo, Bolsonaro (PL) foi acusado por Lula (PT) de frequentemente cometer violências verbais às mulheres - Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress

Em desvantagem nas pesquisas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) é visto pelo eleitorado como o candidato que mais ataca as mulheres e a democracia, segundo o Datafolha.

O instituto ouviu no levantamento 4.580 pessoas em 252 municípios de todo o país de terça-feira (25) a quinta-feira (27).

Quando os eleitores foram questionados sobre qual candidato mais ataca as mulheres, 57% dos entrevistados citaram Bolsonaro, ante 26% que mencionaram o ex-presidente Lula (PT).

Foi o pior resultado obtido pelo atual presidente em um bloco da pesquisa composto por uma sequência de dez perguntas sobre a percepção do eleitor acerca dos presidenciáveis.

A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, considerando o índice de confiança de 95%.

A avaliação de Bolsonaro também foi negativa quando a pergunta foi sobre quem mais defende as mulheres: foi citado por apenas 35%, ante 54% de Lula.

Em questionamento sobre quem mais ataca a democracia, Bolsonaro foi o mais citado, com 50% das menções. Lula teve 39%.

O candidato à reeleição também foi apontado pelos eleitores como quem mais ataca a família, com 47% das citações —o adversário recebeu 36%.

Nos demais quesitos, as respostas foram mais equilibradas entre Bolsonaro e Lula, refletindo a polarização da disputa.

Quando indagados sobre quem mais mente na campanha, 45% dos eleitores mencionaram o candidato à reeleição, ante 41% do petista.

No campo religioso, mencionaram que o atual mandatário é quem mais respeita os cristãos 46% dos eleitores, ante 43% que citaram o ex-presidente.

A pesquisa divulgada na quinta-feira também apontou que Lula lidera a disputa presidencial, com 49% das intenções de votos totais ante 44% de Bolsonaro.

O levantamento foi contratado pela Folha de S.Paulo e pela TV Globo e registrado na Justiça Eleitoral sob o protocolo BR-04208/2022.