Bolsonaro acumula contradições em três anos e meio de governo; veja a lista

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Jair Bolsonaro que concorrerá à reeleição é bem diferente daquele que disputou o pleito em 2018: durante os três anos e meio de governo, o presidente adotou medidas contrárias ao que prometeu durante a campanha eleitoral. Práticas antes criticadas, como o aumento no número de ministérios e a entrega de cargos em troca de apoio político, passaram a ser abertamente defendidas.

Em ofício: Fachin reforça convite para Forças Armadas participarem de reunião de comissão eleitoral

Eleições: Por apoio a Haddad e Freixo, PSOL e Rede reavaliam veto a alianças com tucanos e PSD

Veja quais: TSE acolheu 10 de 15 propostas feitas pelas Forças Armadas para eleições de outubro, indica levantamento

Há duas semanas, por exemplo, ele anunciou que pode recriar até três ministérios caso seja reeleito — ficando cada vez mais distante da promessa feita há quatro anos de reduzir o número de pastas para 15.

Em 2018, o programa de governo afirmava que “o país funcionará melhor com menos ministérios”. Na época, Bolsonaro também disse que seu governo teria “no máximo 15 ministros”. Entretanto, ele começou o governo com 22 pastas e recriou outra em 2020. Na declaração mais recente, disse que a possível nova expansão terá o efeito de “administrar melhor o país”. No governo Michel Temer, eram 29 pastas.

O programa de governo também dizia que o número elevado de estruturas no primeiro escalão era reflexo da “forma perniciosa e corrupta de se fazer política nas últimas décadas, caracterizada pelo loteamento do Estado, o popular ‘toma lá, dá cá’”.

Bolsonaro, contudo, também abandonou suas críticas ao “toma lá, dá cá” e passou a receber indicações de políticos do Centrão em troca de uma base de apoio no Congresso.

Em 2018, o discurso era outro: ele disse que iria por “fim nas indicações políticas do governo em troca de apoio”. Na campanha eleitoral, o candidato também chegou a se referir ao Centrão como “alta nata de tudo que não presta”.

Na campanha, Bolsonaro também disse que pretendia conversar com o Congresso para a realização de uma reforma política, que envolvesse tanto o fim da reeleição quanto a diminuição do número de parlamentares. No governo, jogou toda a responsabilidade para os congressistas e não tratou mais do assunto. Além disso, deixou claro desde o primeiro ano de governo que pretendia concorrer a outro mandato.

Depois de eleito, Bolsonaro mudou o discurso sobre outro tema do qual sempre foi crítico: os gastos com cartão corporativo da Presidência. Em 2008, ainda como deputado, Bolsonaro cobrou o governo de Luiz Inácio Lula da Silva por se opor a investigações sobre os cartões.

No início do seu governo, chegou até mesmo prometer que iria “abrir o sigilo” de suas despesas. Desde então, contudo, o governo tem mantido em segredo o conteúdo dos gastos, alegando questões de segurança.

Passado: Relatos de quem viveu o voto impresso minam campanha contra urna eletrônica

Para o cientista político Adriano Oliveira, professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), alguns gestos de Bolsonaro, como a declaração sobre a recriação de ministérios, funcionam como aceno à classe política, que poderia ter um maior espaço em um segundo governo. Ele também aponta que o presidente pode perder alguns eleitores, que votaram nele em 2018 devido ao discurso liberal, mas ressalta que há uma base fiel que manterá o apoio a todo custo.

— São as pesquisas eleitorais que vão ditar o discurso do presidente da República. Há o eleitor fiel, radical, que segue o presidente independentemente do que ele diga. E existe o bolsonarismo estratégico, que é aquele eleitor que vota em Bolsonaro, que pode até concordar com seu jeito de ser, mas acima de tudo é porque enxerga o presidente como único capaz de derrotar o PT.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos