Bolsonaro acusa ONGs de estarem por trás de aumento de incêndios na Amazônia

Sem provas, presidente 'sugeriu' que ONGs possam estar por trás dos incêndios na Amazônia. (Foto: Marcos Correa/PR)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Presidente acusou ONGs de estar por trás do aumento dos focos de incêndio na Amazônia

  • Fala de Bolsonaro foi feita sem provas ou evidências, assim como no caso dos médicos de Cuba

O presidente Jair Bolsonaro acusou, nesta quarta-feira (21), que ONGs podem estar por trás das queimadas que atingem a Amazônia. Bolsonaro sugeriu que os grupos querem atacá-lo após perderem recursos.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO FLIPBOARD

Assim como quando acusou que médicos cubanos que integravam o Programa Mais Médicos formavam núcleos de guerrilha, ele não apresentou evidências das acusações. As informações são do portal UOL.

Leia também

“O crime existe e nós temos que fazer o possível para que não aumente, mas nós tiramos dinheiro de ONGs, repasses de fora, 40% ia para ONGs, não tem mais. De modo que esse pessoal está sentindo a falta de dinheiro. Pode estar havendo, não estou afirmando, a ação criminosa desses 'ongueiros' para chamar a atenção contra minha pessoa contra o governo do Brasil", disse Bolsonaro.

Bolsonaro afirmou que mantém contato com os ministérios da Defesa e do Meio Ambiente para ver quais ações o governo pode executar para solucionar o problema.

“Vamos fazer o possível e o impossível para conter esse incêndio criminoso, cada árvore queimada eu sinto aqui em mim o que está acontecendo”, disse.

AUMENTO NOS FOCOS

Com 72.843 focos de incêndio do início de janeiro até segunda-feira (19), o Brasil já registra um aumento de 83% em relação ao mesmo período do ano ano passado, segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) a partir de imagens de satélite.

Descontrolado, o fogo também avança sobre áreas protegidas. Somente nesta semana, houve 68 ocorrências somente dentro de terras indígenas e unidades de conservação estaduais e federal.

Entre as áreas protegidas mais afetadas neste ano está o Parque Nacional de Ilha Grande (PR). Somente até a última quinta-feira (19), o fogo destruiu 32,5 mil hectares, o equivalente a 206 Parques Ibirapuera, segundo nota do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).