Bolsonaro afirma que está 'quase certo' acordo para Brasil comprar diesel da Rússia

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que está "quase certo" um acordo para o Brasil importar diesel da Rússia. Bolsonaro afirmou que a previsão é que o combustível chegue em dois meses e que seria "bem mais barato", mas não detalhou os valores.

Guia interativo: Cinco passos para reduzir o consumo de combustível do seu carro

Preço: Gasolina e diesel caem pela segunda semana seguida nos postos, diz ANP

Há duas semanas, o presidente havia dito que havia essa possibilidade e que o tema foi tratado em uma conversa telefônica com o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Nesta segunda, contudo, foi mais enfático.

— Minha ida à Rússia, acertei fertilizantes para o agronegócio. E agora está quase certo um acordo para comprarmos diesel bem mais barato da Rússia. Onde a Petrobras, alguns, compravam mais caro — disse, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada.

Com inflação acima de 10%: Brasileiro muda a forma de fazer compras e adota estratégias do período da hiperinflação

Mais tarde, em entrevista no Palácio do Planalto, Bolsonaro disse que a questão está acertada e citou a previsão de entrega:

— Está acertado. Em 60 dias já pode começar a chegar aqui, já existe esta possibilidade. A Rússia continua fazendo negócio com o mundo todo, parece que as sanções econômicas não deram certo.

Mudanças à vista: Petrobras vive disputa por cargos de assessor da presidência

De acordo com o presidente, quase um terço do diesel consumido no Brasil é importado, e por isso é preciso comprar de quem vende mais barato.

— Nós importamos quase 30% (do diesel consumido no país). Agora, você tem que importar diesel de quem está vendendo mais barato e não importar de quem, à vontade, está vendendo até mais caro, porque aumentando o preço aqui, aumenta o lucro da Petrobras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos