Bolsonaro afirma ter agido "dentro da Constituição" ao pedir impeachment de Moraes

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou neste sábado que, ao pedir o impeachment do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, agiu "dentro das quatro linhas da Constituição". O presidente ingressou na tarde de sexta-feira (20) no Senado com o pedido. Além da destituição do cargo, solicitou o afastamento do ministro de funções públicas por oito anos.

"Engraçado, quando eu entro com uma ação no Senado, fundado no artigo 52 da Constituição, o mundo cai na minha cabeça. Quando uma pessoa em um inquérito no fim do mundo me bota lá ninguém fala nada. Não é revanche. Cada um tem que saber o seu lugar, só vamos poder viver em paz e harmonia se cada um respeitar o próximo e saber que tem um limite, o limite é a nossa Constituição", disse o presidente durante visita à cidade de Eldorado, no Vale do Ribeira, no interior de São Paulo. "Todos os incisos do artigo quinto da Constituição eu cumpri todos. Não tem um só ato meu fora dessas quatro linhas". Sua declaração foi registrada pelo canal de televisão CNN.

O presidente chegou às 14h desta sexta-feira a Iporanga (SP), pouco antes de o pedido de impeachment contra Moraes ser apresentado no Congresso.

No Vale do Ribeira, foi recebido por uma multidão de apoiadores, que, em sua maioria, também não utilizavam máscara, segundo o G1. A cena se repetiu em seguida na cidade de Eldorado, onde Bolsonaro foi visitar a mãe e irmãos.

Por ter infringido regras sanitárias, Bolsonaro recebeu autuação dupla do governo de São Paulo. O valor total das multas pode chegar a R$ 3 milhões com base em legislação federal. Ao todo, o presidente já cometeu cinco infrações de normas sanitárias no território paulista, chegando à quarta reincidência.

Antes de falar aos jornalistas na manhã deste sábado, Bolsonaro visitou a mãe, Olinda, de 94 anos, que teve um sangramento recentemente. Ele posou ao lado dela e seus três filhos. O registro com a matriarca foi publicado na manhã deste sábado (21) nas redes sociais do senador Flávio Bolosnaro (Patriota-RJ). Além dele, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) também aparecem na imagem. Nenhum usa o aparato de proteção contra a Covid-19.

Também na manhã de sábado, o senador Flávio Bolsonaro divulgou em suas redes um vídeo do presidente chegando a Ribeira, onde foi recebido com aplausos e gritos de "mito".

Pedido

O presidente usou o pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes para condensar em um único documento as reclamações contra o magistrado, considerado uma pedra no sapato no Palácio do Planalto. No requerimento entregue ao Senado no final da tarde de sexta-feira, Bolsonaro afirmou ainda que a Corte é um “ator político” e, portanto, deve ser submetido à crítica.

O presidente justificou que "nem sempre usa as melhores palavras" para fazer críticas, mas que suas ações serão "sempre pautadas pelos parâmetros constitucionais". "Logo, não há, sequer em hipótese, qualquer possibilidade de ruptura."

Investigado, Bolsonaro disse no pedido que não praticou crime durante suas lives semanais e que exerceu a liberdade de pensamento. O presidente foi incluído no inquérito das fake news pelo ministro Alexandre de Moraes após realizar uma transmissão ao vivo na internet, no final de julho, atacando a confiabilidade das urnas eletrônicas e defendendo o voto impresso. A mudança no sistema eleitoral brasileiro foi rejeitada pela Câmara dos Deputados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos