O que Bolsonaro ofereceria a Biden em troca de 'ajuda' contra Lula?

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
U.S. President Joe Biden speaks with Brazil's President Jair Bolsonaro and Colombia's President Ivan Duque as they arrive for a family photo during the Ninth Summit of the Americas in Los Angeles, California, U.S., June 10, 2022. REUTERS/Kevin Lamarque
Jair Bolsonaro durante encontro com Joe Biden em Los Angeles. Foto: Kevin Lamarque/Reuters

Joe Biden, segundo noticiou a agência americana Bloomberg, desconversou quando Jair Bolsonaro pediu ajuda para vencer as eleições de outubro em troca da garantia de alinhamento aos interesses dos EUA do lado de cá do Equador.

Uma pena.

O presidente norte-americano faria bem se decidisse prolongar a conversa e ela fosse divulgada, com direito a gravação, para que os brasileiros descobrissem, por si mesmos, até onde vai a submissão do presidente que jura patriotismo batendo continência à bandeira alheia.

“Diga-me mais”, poderia ter dito o chefe da Casa Branca, à espera de alguma oferta imperdível.

A conversa estranha, confirmada pelo jornalista Jamil Chade, do UOL, com fontes do Itamaraty, revela um dos episódios mais vergonhosos da diplomacia brasileira em muito tempo. Talvez só haja paralelos com os acordos da coroa portuguesa, já desembarcada por aqui, com a Inglaterra, potência manufatureira da época que enriqueceu seus tubos comprando produtos primários a preço de banana a partir de 1808.

Bolsonaro decerto imaginou que Joe Biden era um dos muitos integrantes das redes bolsonaristas do WhatsApp que aceitam ver o diabo mas não Lula eleito presidente a partir de outubro.

Em ato de desespero, assumiu o risco de mandar o Júnior Baiano para a área, como define meu amigo toda vez que uma equipe precisa reverter a iminente derrota por meio do abafa.

Quem não arrisca não leva, deve ter pensado o capitão, antes de passar o chapéu. Por que, então, não pedir ajuda ao presidente que ele já acusou de ganhar uma eleição fraudulenta contra o possível risco de a maioria dos brasileiros escolherem outro nome, se não o dele, nas urnas que por aqui ele já garante que serão fraudadas? É ou não é um risco esse negócio de democracia quando ela não é justa a nosso favor?

Se a conversa tivesse avançado, Bolsonaro certamente faria cosplay de Raul Seixas ao dizer para o anfitrião que aqui tem o Atlântico, tem vista para o mar e a Amazônia é o jardim do quintal. Está tudo pronto aqui, é só vir pegar.

Em outubro os eleitores poderão dizer em coro se este imóvel está ou não para alugar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos