Bolsonaro aparece ‘vagando’ em supermercado nos EUA e viraliza; veja o vídeo

Registro foi feito por um jornalista local durante estadia do ex-presidente no país

Jair Bolsonaro em mercado nos EUA
(Reprodução)
Jair Bolsonaro em mercado nos EUA (Reprodução)
  • Jair Bolsonaro é flagrado passeando em supermercado nos Estados Unidos;

  • Vídeo foi compartilhado nas redes sociais por um jornalista local;

  • Ex-presidente deixou o Brasil em 30 de dezembro, dois dias antes do fim de seu mandato.

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi flagrando andando por um supermercado em Orlando, nos Estados Unidos. As imagens foram compartilhadas por um jornalista local, que detalhou que o estabelecimento faz parte da rede Pubix.

Nas redes sociais, o vídeo recebeu mais de 6 mil curtidas e 1,1 milhão de visualizações. Não há informações sobre quando foi gravado.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

“Jair Bolsonaro vagando por um Pubix”, escreve o jornalista na legenda do post. Ao notar que está sendo filmado, o ex-presidente acena para a câmera no fim.

Desde que deixou o Brasil em 30 de dezembro, dois dias antes do fim do mandato, Bolsonaro foi visto em situações cotidianas. Na primeira, aparece comendo pizza em uma foto publicada por Michelle Bolsonaro; na segunda, comendo frango frito da rede KFC.

O ex-presidente ainda dedica algum tempo a atender apoiadores que o aguardam em frente ao condomínio onde está hospedado.

Salário do PL em risco

Até que retorne dos Estados Unidos, Bolsonaro não receberá o salário prometido pelo PL. A informação foi passada a aliados de Valdemar Costa Neto, presidente da legenda, que chegou a ser cobrado sobre a condição do ex-mandatário.

O montante acertado com o ex-presidente foi de R$ 39,2 mil mensais, valor equivalente ao teto constitucional do setor público.

No entanto, o retorno da família Bolsonaro ao Brasil, não é garantia de pagamento. O partido também depende de uma canetada do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, para que tenha recursos, uma vez que as contas da sigla estão bloqueadas desde que o PL pediu anulação de cerca de 300 mil votos do segundo turno sem apresentar provas de que os mesmos foram fraudados.