Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve na próxima semana

DANIEL CARVALHO
·1 minuto de leitura
SÃO PAULO, SP, 27.01.2021 - PROTESTO-CAMINHONEIROS-SP - Motoristas de caminhões durante protesto em frente ao estádio do Morumbi, na zona sul de São Paulo, nesta quarta-feira (27). Movimentos ligados ao bolsonarismo organizam ato contra o aumento do ICMS, proposto por Doria. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 27.01.2021 - PROTESTO-CAMINHONEIROS-SP - Motoristas de caminhões durante protesto em frente ao estádio do Morumbi, na zona sul de São Paulo, nesta quarta-feira (27). Movimentos ligados ao bolsonarismo organizam ato contra o aumento do ICMS, proposto por Doria. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apelou aos caminhoneiros para que não façam a greve que está prevista para esta segunda-feira (1º).

"Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia do Brasil. Apelamos para eles que não façam greve, que todos nós vamos perder. Todos, sem exceção. Agora, a solução não é fácil. Estamos buscando uma maneira de não ter mais este reajuste", afirmou Bolsonaro ao sair do Ministério da Economia nesta quarta-feira (27).

A Petrobras aumentou o preço médio do diesel nas refinarias em 4,4% nesta terça-feira (26). A CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos), que até a semana passada minimizava as chances de uma uma greve nacional de caminhoneiros, mudou de tom em relação à greve, como mostrou a Folha.

Na terça, a confederação disse ter sido informada de que o Ministério da Economia neutralizaria o efeito do aumento do diesel nas bombas através da redução do PIS/Cofins. A pasta não havia confirmado a informação, mas Bolsonaro disse que a medida está em estudo, embora sem uma data para resposta.

"Estamos tratando. A Petrobras segue uma planilha, tem a ver com o preço do petróleo lá fora, tem a ver também com variação do dólar -ontem foi uma boa notícia, o dólar baixou R$ 0,20. Estamos estudando medidas", afirmou.

"Agora, não tenho como dar uma resposta de como diminuir o impacto que, na verdade, foram R$ 0,09 no preço do diesel. Mas, para cada centavo no preço do diesel, que porventura nós queremos diminuir, no caso, PIS/Cofins, equivale buscarmos em outro local R$ 800 milhões. Então, não é uma conta fácil de ser feita", disse Bolsonaro.