Bolsonaro autoriza envio das Forças Armadas para reforçar segurança no Ceará

DANIEL CARVALHO
BRASÍLIA, DF, 20.02.2020 - JAIR-BOLSONARO-DF - O presidente Jair Bolsonaro, ao lado dos ministros Paulo Guedes (Economia), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno (GSI) e do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante cerimônia de lançamento do programa de Crédito Imobiliário com Taxa fixa, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) autorizou nesta quinta-feira (20) o envio de membros das Forças Armadas para reforçar a segurança no Ceará.

O decreto de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) no período de 20 a 28 de fevereiro atende a um pedido do governador Camilo Santana (PT), que comemorou a decisão nas redes sociais.

Desde terça (18), o estado passa por um motim da Polícia Militar. Nesta quarta (20), o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado após tentar invadir com uma retroescavadeira um quartel ocupado por PMs em Sobral, no interior do estado.

Nesta quinta, Cid foi transferido para um hospital em Fortaleza. Seu quadro é estável. 

"Acabo de receber telefonema do ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, general Luiz Eduardo Ramos, informando que o presidente acaba de atender a nossa solicitação autorizando o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Estado do Ceará", escreveu Camilo nas redes sociais.

No texto, o governador lembra que o uso da Força Nacional de Segurança também já havia sido autorizado e agradeceu ao presidente.

"Todo o esforço será feito para garantir a proteção dos nossos irmãos e irmãs cearenses. Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro pelo apoio do governo federal neste momento", afirmou.

As missões de GLO, que são realizadas exclusivamente por ordem do presidente da República, ocorrem quando há o esgotamento das forças tradicionais de segurança pública, em graves situações de perturbação da ordem. 

Essas operações permitem provisoriamente aos militares a faculdade de atuar com poder de polícia até o restabelecimento da normalidade.