Bolsonaro chama de 'inútil' o empenho de governos regionais para achatar a curva de crescimento da Covid-19

RIO - O presidente Jair Bolsonaro usou sua live semanal para criticar novamente as medidas de isolamento social adotadas por governadores e prefeitos para tentar conter o avanço do coronavírus. Desta vez, ele chamou de inúteis os esforços para achatar a curva de crescimento dos casos de contaminação e de mortes causados pela Covid-19.

E de novo defendeu a necessidade de afrouxar as regras para que parte da população volte a trabalhar.

- Setenta por cento da população vai ser infectada e, pelo que estamos vendo, até agora todo empenho para achatar a curva praticamente foi inútil. Agora, o efeito colateral disso? Desemprego. O povo quer voltar a trabalhar. Todo mundo sabe que, quanto mais jovem, menos problemas tem de ter uma consequência danosa em sendo infectado pelo vírus. Pessoa abaixo de 40 anos de idade, dos infectados com alguma outra comorbidade, apenas em torno de 0,2% que o fim é trágico - disse.

Ao falar de ações do governo federal, no entanto, Bolsonaro enumerou esforços para ajudar no combate à pandemia. Segundo ele, a União já gastou R$ 700 bilhões com um leque de ações. E este valor ainda pode chegar a casa do R$ 1 trilhão, segundo ele.

- Na ponta da linha cabe a governadores e prefeitos tomar as medidas que vêm tomando, tá? Não vou entrar no mérito, nem vou discutir. Ao governo federal praticamente não cabe quase nada. Nessa área, para nós, coube ali a ação do Ministério da Saúde e os recursos. Nós já estamos na casa dos R$ 700 bilhões do governo federal depois da decretação do estado de calamidade, que foi acolhido pela Câmara e pelo Senado Nacional. Passou a poder se gastar não se preocupando com o teto, né?

Entre as ações listadas por Bolsonaro estão o programa de auxílio emergencial, que pagará R$ 180 divididos em três parcelas a inscritos no Cadastro Único do governo, beneficiários do Bolsa Família e uima faixa de trabalhadores que teve sua renda comprometida. Ele também mencionou ações de socorro a micro e pequenas empresas e a liberação de R$ 8 bilhões para estados do Nordeste.

- O governo brasleiro, desde antes do carnaval, já alertava sobre a questão do coronavírus no Brasil e vinha tomando providências neste sentido. E este problema interessa a todos nós. Sabemos o que pode acontecer ainda no Brasil fruto da questao do vírus e sabemos que, infelizmente, muita pessoa (SIC) vai morrer. A gente lamenta. Infelizmente, é uma relidade. Tá certo?

Bolsonaro, que esta semana foi bastante criticado por ter dito "E daí?" ao se referir ao aumento no número de mortes por Covid-19, encerrou a transmissão manifestando solidariedade às famílias dos mortos.

- Nossa solidariedade aos familiares que perderam seus entes queridos. São seres humanos, não interessa se tinham comorbidade ou uma idade avançada. Eu tenho uma mãe com 93 anos de idade. Peço para vê-la com vida por muito tempo ainda e fico, obviamente, bastante abatido por todos que pederam seus entes queridos.