Bolsonaro chama Moraes de parcial e não responde se aceitará resultado das eleições

BRASÍLIA, DF, 27.04.2022 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Antonio Molina/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 27.04.2022 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Antonio Molina/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta quinta-feira (26) em Brasília que o ministro Alexandre de Moraes é "parcial" para assumir a presidência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nas eleições deste ano.

"Totalmente parcial. Não tenho dúvida disso. Os próprios atos dele bem demonstram", disse o presidente em entrevista em Brasília.

Questionado se pode se compromete em aceitar o resultado das urnas eletrônicas independentemente do resultado, mesmo que não seja reeleito, Bolsonaro não respondeu. Disse apenas que, "democraticamente, eu espero eleições limpas".

Bolsonaro tem mantido desde a campanha de 2018 um discurso em que, sem qualquer prova, coloca dúvidas sobre o sistema eleitoral brasileiro. Em várias ocasiões ele deu a entender que não aceitará outro resultado que não seja a sua vitória em outubro.

No último dia 5, por exemplo, afirmou que uma empresa será contratada pelo PL, o seu partido, para fazer uma auditoria privada das eleições deste ano. E sugeriu, em tom de ameaça, que os resultados da análise podem complicar o TSE se a empresa constatar que é "impossível auditar o processo".

Nesta quinta, voltou a adotar o mesmo tom. "Estamos esgotando tudo dentro das 4 linhas da Constituição. Você tem alguma dúvida de que há abuso de autoridade para comigo? Esse próprio inquérito de fake news não passou pelo Ministério Público Federal. Nunca vi inquérito durar tanto tempo como esse."

"Quando a gente pensa que vai resolver, complica a situação. O que é o senhor Alexandre de Moraes? Ele quer o confronto? Uma ruptura? Por que ele ataca tanto a democracia? Por que você não pode apresentar sugestões ao TSE a convite do TSE?"

Na mesma entrevista, Bolsonaro disse que desconfiar as urnas e do sistema eleitoral é um direito seu.

"Da minha parte você não vê ataques. Agora, desconfiar é um direito meu. Estou num país democrático. Por que o senhor Moraes diz que o candidato que por ventura duvidar da urna eletrônica terá o registro cassado e preso? Quem ele pensa que é?"

A tensão na relação entre Bolsonaro e Alexandre de Moraes começou ainda em 2019, com a abertura do inquérito das fake news, teve picos em 2020, chegou perto de uma crise institucional no 7 de Setembro de 2021 e pode alcançar seu ápice no período eleitoral.

Entre aliados do presidente, o mais recente capítulo das rusgas entre os dois --a notícia-crime de Bolsonaro contra Moraes protocolada no STF e na Procuradoria-Geral da República-- é visto como a sinalização do futuro auge da crise, uma vez que é classificado como estratégia para desacreditar o processo eleitoral.

A investida contra o sistema eleitoral por Bolsonaro começou com a defesa do voto impresso, derrotada no Congresso. Depois, o presidente aproveitou o convite da corte eleitoral para as Forças Armadas integrarem a Comissão de Transparência das Eleições para elevar o tom contra o tribunal.

Moraes assumirá o comando do TSE em agosto. A avaliação do entorno do presidente é de que ele acertou a mão com medidas jurídicas ao invés de permanecer na retórica, como antes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos