Bolsonaro chama repórter de 'idiota' após ser questionado por foto com 'CPF cancelado'

Dimitrius Dantas
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Após particicpar da inauguração da duplicação do trecho da BR-101 que liga a Bahia ao Sergipe, o presidente Jair Bolsonaro se irritou com a pergunta de uma jornalista que o questionou sobre uma foto em que Bolsonaro aparece segurando um cartaz de um CPF "cancelado", expressão usada no jargão policial para mortes ou execuções.

A foto ocorreu nos bastidores de um programa da "TV A Crítica", do Amazonas, onde Bolsonaro foi entrevistado na última sexta-feira. Na mesma entrevista, o presidente admitiu que poderia usar as Forças Armadas contra as medidas restritivas decretadas pelos governadores.

Nesta segunda-feira, indagado sobre o fato de ter tirado a foto em um momento em que o Brasil chega perto das 400 mil mortes por Covid-19, Bolsonaro se irritou:

— Você não tem o que perguntar, não? Deixa de ser idiota — afirmou.

Durante seu discurso, o presidente Bolsonaro novamente atacou governadores, afirmando que eles tentam impor uma ditadura no país. O presidente voltou a insinuar que poderia tomar alguma medida em relação à postura dos governadores.

— Está chegando a hora, pessoal. Está chegando a hora do Brasil dar um novo grito de independência, porque não podemos admitir alguns pseudogovernadores impor a ditadura no meio de vocês, usando do vírus para subjugá-los. Nós tratamos a questão do vírus com muita responsabilidade, mas sempre disse que além do vírus tínhamos que nos preocupar com a questão do desemprego — disse o presidente, durante inauguração de duplicação da BR-101 entre Feira de Santana (BA) e Divisa (SE).

Após o evento, em conversa com jornalistas, Bolsonaro foi questionado sobre o eventual uso das Forças Armadas e disse que elas devem "cumprir a lei e a ordem". Em seguida, acusou governadores e prefeitos de não cumprirem a Constituição:

— As Forças Armadas estão aí para cumprir a lei e a ordem e para cumprir integralmente a nossa Constituição. Eu te devolvo a pergunta: estão seguindo o artigo quinto da Constituição ou não? É só você ler dois incisos do artigo quinto e você vê se está sendo respeitado o direito de ir e vir, o direito de a pessoa ter um emprego, ocupar o tempo para exercitar a sua fé. É só ver se isso está sendo respeitado ou não, por decretos de alguns governadores e alguns prefeitos — disse.