Bolsonaro assiste Chaves, pode iniciar a fisioterapia e caminhadas

Eduardo Bolsonaro, assim como Flávio, também postou foto com o pai após a cirurgia. (Foto: Reprodução/Twitter)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Bolsonaro foi liberado pelos médicos para iniciar a fisioterapia e já pode caminhar pelos corredores

  • Na manhã desta segunda, presidente postou um vídeo assistindo Chaves e dizendo que ‘volta ao batente’

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) deverá iniciar nesta segunda-feira (9) a fisioterapia e já está liberado para realizar caminhadas pelo corredor do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde foi submetido à quarta cirurgia desde o ataque à faca de Adélio Bispo, em setembro de 2018.

De acordo com o boletim médico divulgado na manhã desta segunda-feira, o presidente encontra-se estável, sem dor e sem febre, e com “boa evolução clínico-cirúrgica”.

Leia também

Bolsonaro também está liberado para iniciar a fisioterapia motora e poderá sentar na poltrona. Por enquanto, o presidente se alimentará de uma dieta líquida a base de água, gelatina, chá e caldo ralo. Por orientação médica, as visitas ao quarto do presidente ainda permanecem restritas.

Na manhã desta segunda, o presidente usou as redes sociais para postar um vídeo no qual aparece assistindo Chaves e tomando café da manhã. “Pessoal, só segunda-feira que eu estou de folga, hein. Amanhã eu volto pro batente. Por enquanto, meu programa favorito aqui: O Chaves. Tamo junto e um abraço a todo mundo aí”.

Logo após a cirurgia, Bolsonaro vestiu uma cinta elástica para pressionar o abdome operado e ajudar no processo de recuperação. Bolsonaro está na suíte presidencial e no quarto ao lado estão alojados as pessoas do seu estafe presidencial.

MOURÃO NO CARGO ATÉ QUINTA

O vice-presidente, Hamilton Mourão, ficará até quinta-feira (12) à frente da Presidência da República. Depois, Bolsonaro poderá despachar do próprio hospital.

"Temos condições de proporcionar ao presidente o despacho normal, não obstante as questões procedimentais-médicas que vão exigir o descanso do presidente", disse o porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros.

A cirurgia foi realizada no Hospital Vila Nova Star, na Vila Nova Conceição (zona sul de São Paulo), para corrigir uma hérnia que surgiu na região onde foram feitas três operações depois do ataque a faca durante a campanha eleitoral de 2018 na cidade de Juiz de Fora (MG).

O procedimento, considerado de média complexidade, tinha previsão de duração de duas horas, mas acabou levando cinco -sendo concluído às 12h40. O médico Antônio Luiz Macedo, responsável pela cirurgia, disse que foram encontradas aderências no intestino que demandaram mais tempo da equipe.

"Normalmente uma hérnia não demora tudo isso que demorou, mas a gente não contava que tinha aderido tudo de novo em relação à cirurgia de 28 de janeiro", afirmou Macedo, em referência à data da operação de retirada da bolsa de colostomia.

O médico disse que a alta clínica do presidente é esperada para ocorrer dentro de cinco ou seis dias. No entanto, ele só poderá voltar a Brasília, se não houver complicações, de 7 a 10 dias após a cirurgia -na semana que vem.

Macedo não descarta a possibilidade de que surjam novas hérnias no futuro, mas as chances são pequenas, em torno de 6%, segundo ele. A hérnia ocorreu porque, em virtude do enfraquecimento da parede muscular do abdômen, uma parte do intestino passou por uma cavidade desse tecido.

As múltiplas incisões (cortes) na barriga fragilizaram o músculo, o que fez com que a porção do órgão e uma camada de gordura rompessem a membrana.