Bolsonaro começa a ir atrás de cubanos do Mais Médicos que não voltaram para Cuba

O ministério da Saúde, sob comando de Luiz Henrique Mandetta, está tentando localizar cubanos que decidiram ficar no Brasil depois que o país deixou o Mais Médicos.

Cuba decidiu sair do programa social, criado no governo Dilma Rousseff, em novembro do ano passado, citando “referências diretas, depreciativas e ameaçadoras” feitas pelo então presidente Jair Bolsonaro.

Segundo informações da coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, Mayra Pinheiro, responsável pela área no Ministério da Saúde, mandou uma mensagem pedindo que aqueles que não quiseram retornar ao país caribenho preencham um formulário.

A partir daí, cursos preparatórios apoiados pela Associação Médica Brasileira e o Conselho Federal de Medicina seriam criados e o grupo seria submetido a um “novo Revalida”, exame direcionado a médicos formados no exterior.

A forma carinhosa como Mayra trata os médicos estrangeiros na mensagem de voz surpreendeu. A pediatra, que ganhou fama ao se tornar uma das maiores críticas do programa petista, agora se dirige aos cubanos como “colegas” e “ irmãos”.  As associações citadas na mensagem também tinham restrições quanto à atuação de profissionais de saúde estrangeiros.

No recado, a médica também diz que o governo analisa editar uma MP (medida provisória) que possa garantir a permanência de cubanos no programa, que vai mudar de nome – deve passar a se chamar Mais Saúde.

Em mais uma demonstração de “bandeira branca”, Mayra pede que os cubanos usem o canal com o Ministério da Saúde para denunciar assédio ou ameaças. “Este é um país livre”, disse.