‘Bolsonaro cometeu muitos crimes e vai pagar por eles’, promete Aziz em CPI

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: Reprodução/TV Senado
Foto: Reprodução/TV Senado
  • Presidente da CPI, senador Omar Aziz diz que ‘Bolsonaro cometeu muitos crimes e vai pagar por eles’

  • Senador Marcos Rogério queria que CPI declarasse impossibilidade de indiciamento do presidente

  • Relatório da CPI da Covid no Senado pede o indiciamento de Bolsonaro por 10 crimes

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou nesta quarta-feira (20) que o presidente Jair Bolsonaro “cometeu muitos crimes e vai pagar por eles”. O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu para que a CPI declarasse a impossibilidade de indiciamento do presidente da República, o que foi negado por Aziz

“Cabe ao Parlamento a fiscalização dos atos do Executivo, principalmente do chefe do Executivo”. “O entendimento foi de que a comissão não podia convocar o presidente da República. Mas isso não significa que as condutas do presidente não possam ser depuradas pela CPI como foram depuradas. Quem comete crime, tem que ser indiciado e investigado. Nenhum cidadão está acima da lei. Isso vale para Jair Messias Bolsonaro, disse.

Omar Aziz citou "vasto acervo", como documentos, declarações públicas e depoimentos que apontariam responsabilidade de Bolsonaro por mortes na pandemia.

O relatório apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) pede o indiciamento de Bolsonaro por 10 crimes.

  • epidemia com resultado morte;

  • infração de medida sanitária preventiva;

  • charlatanismo;

  • incitação ao crime;

  • falsificação de documento particular;

  • emprego irregular de verbas públicas;

  • prevaricação;

  • crimes contra a humanidade;

  • violação de direito social;

  • incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo.

O grupo de senadores de oposição a Bolsonaro decidiu na noite de terça-feira (19) retirar do relatório final os crimes de homicídio e genocídio indígena. Esse era um dos pontos de divergências entre o relator e os demais parlamentares.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos