Bolsonaro critica decreto de Witzel: 'parece que o Rio de Janeiro é outro país'

Daniel Gullino
Foto: Bruno Rocha/Fotoarena/Sipa USA via AP Images

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta sexta-feira um decreto do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, com medidas para conter o avanço do novo coronavírus. De acordo com Bolsonaro, "parece que o Rio de Janeiro é outro país", porque Witzel teria tomado medidas que não competem a ele. O presidente também afirmou que algumas das medidas que estão sendo tomadas por governadores prejudicam os mais pobres e podem causar saques.

O decreto de Witzel determinou a suspensão de viagens aéreas, terrestres e aquaviárias de origem de locais com circulação confirmada do coronavírus ou situação de emergência decretada. A suspensão, no entanto, depende de confirmação das agências reguladores, como Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que criticou a decisão.

Leia também:

— Estão tomando medidas, no meu entender, exageradas. Fecharam o aeroporto do Rio de Janeiro. Não compete a ele, meu Deus do céu. A Anac está disposição, é uma agência autônoma que está aberta para todo mundo, para conversas. Eu vi ontem um decreto de um governador do Rio que, confesso que fiquei preocupado. Parece que o Rio de Janeiro é um outro país. Não é outro país. Você tem uma federação — disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro voltou a falar que as medidas tomadas contra a covid-19 não podem gerar "pânico":

— Temos que todas medidas equilibradas, (e não medidas) que cada vez mais levam pânico. Se vocês acompanharem o que está acontecendo com o povo, em especial o mais pobre...Daqui a pouco vamos ter problema de saque, problemas outros vão aparecer no Brasil.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O presidente também demonstrou preocupação com o fechamento do comércio e afirmou que "o remédio tem que ser proporcional" para não virar um veneno:

— Tem certos governadores, tenho que criticar de novo, que estão tomando medidas extremas, que não compete a eles, fechar aeroportos, fechar rodovias. Não compete a eles. Fechar shopping etc, está para fechar a feira dos nordestinos (Feira de São Cristóvão) no Rio de Janeiro. Se o comércio para, o pessoal não tem o que comer. Em alguns casos, o vírus mata, sim, mas muitos mortes serão (de pessoas) sem comida. A pessoa com uma alimentação deficitária é mais propensa, ao pegar o vírus, a complicar sua situação sanitária, levando até a óbito. O remédio tem que ser proporcional, se não, mata. Se qualquer um tomar remédio de mais, vira veneno.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.