Bolsonaro critica 'transparência' e 'democracia' no PSL

Brazil's President Jair Bolsonaro looks on during a ceremony ahead of Aviator's Day at Brasilia Air Base in Brasilia, Brazil October 18, 2019. REUTERS/Adriano Machado
Presidente criticou a mudança de lado de alguns deputados que agora defendem Luciano Bivar. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Em viagem oficial a China, o presidente Jair Bolsonaro classificou o pedido de expulsão de seu filho do PSL como "ato autoritário". "Está na cara que é um ato autoritário de quem não está ligado à democracia e à transparência", disse Bolsonaro em entrevista aos jornalistas em Pequim.

Nesta quinta-feira (24), uma ala do PSL próxima ao presidente da legenda, Luciano Bivar, pediu a expulsão de Eduardo Bolsonaro, recém eleito líder do partido na Câmara. A representação é assinada pelo líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP), e pelos deputados da bancada paulista do partido Abou Anni, Coronel Tadeu, Joice Hasselmann e Júnior Bozzella.

Leia também

O presidente criticou os deputados, que no passado estavam alinhados a ele, e ironizou: "não sei qual perfume o Bivar está usando".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Bolsonaro também defendeu as interferências que fez no partido ao conversar com deputados para que apoiem seu filho contra Bivar.

"Se acontece algum problema com alguém no partido, quem vai ser responsabilizado: eu. Vão falar que é o partido do Bolsonaro. Estou me antecipando a problemas. Não quero ter dor de cabeça", afirmou.

Leia mais sobre a crise no PSL

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos