Bolsonaro criticado por fazer campanha eleitoral nas comemorações do bicentenário

O Brasil comemorou os 200 anos da Independência. A efeméride mobilizou toda a nação e o presidente Jair Bolsonaro não hesitou em aproveitar as multidões para misturar as celebrações oficiais com a campanha eleitoral.

O chefe de Estado, e candidato nas presidenciais de 2 de outubro, dirigiu vários ataques a Lula da Silva:

"Sabemos que temos pela frente uma luta do bem contra o mal. O mal, que perdurou por 14 anos em nosso país, que quase quebrou a nossa pátria e que agora deseja voltar a cena do crime."

Os discursos de Bolsonaro nesta ocasião levantaram fortes críticas da oposição, que acusam o Presidente de se ter apropriado indevidamente das comemorações do povo brasileiro.

Houve diversos protagonistas políticos que não participaram nas cerimónias públicas e Lula lamentou que não tenha sido um dia de união nacional:

"Em nenhum momento a gente utilizou um Dia da Pátria, um dia do povo Brasileiro, o dia maior de nossos pais por conta da independência, como instrumento de política eleitoral.

O presidente, ao invés de discutir os problemas do Brasil, tentar falar para o povo brasileiro como ele vai resolver os problemas da educação, da saúde, do desemprego, do salário mínimo, ele tenta falar de campanha política e tenta-me atacar."

A menos de um mês da eleição presidencial, as últimas sondagens indicam que Lula da Silva continua a dominar as intenções de voto.